João Ferreira insiste: “Não vimos o governo a assumir que não vai aceitar corte nos fundos europeus”

João Ferreira insiste: “Não vimos o governo a assumir que não vai aceitar corte nos fundos europeus”

Já esta semana, em Faro, João Ferreira tinha desafiado o governo a vetar um eventual cortes dos fundos comunitários para Portugal. Esta tarde, numa ação de campanha, em Beja, voltou a fazê-lo, mas deixou críticas na forma como estão a ser feitas as negociações.

“O governo partiu para estas negociações com um posicionamento errado, com o objetivo fixado de não perder dinheiro, de não ter cortes.”

O cabeça de lista da CDU às eleições europeias volta a apresentar os números dos quadros comunitários anteriores. “Temos já dois quadros plurianuais em que as verbas foram cortadas. Primeiro 14% em 2007-2013 e depois 10% em 2014-2020. Não será aceitável uma diminuição das verbas”, diz João Ferreira, que insiste que o governo devia ter partido com outro discurso.

“Portugal está do lado dos países que menos cresceram e isto deveria ser compensado por via das verbas da coesão. Se nós não tivermos os recursos suficientes para promover a coesão temos de assumir a necessidade de reforçar esses recursos. Esse devia ser o ponto de partida do governo”, sublinha o candidato comunista.

João Ferreira volta a insistir que o governo, mas também os partidos de direita têm de assumir de vez uma posição.

“Era importante que o governo assumisse desde já, até como ponto de força negocial, que não vai aceitar qualquer tipo de corte nas verbas a receber. Não vimos o governo a assumir isso.” E vai mais longe “Nem vimos os deputados do Parlamento Europeu, do PS, do PSD e do CDS a assumirem que não votarão a favor de um orçamento que corte nas verbas para Portugal. Isto era necessário neste momento. Continuamos à espera. A ausência de resposta também quer dizer alguma coisa”, concluiu o candidato comunista que esta sexta-feira está pelo Alentejo para falar de alterações climáticas, ambiente e agricultura.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Bovinos Carnalentejana e a sua pegada de carbono
Próximo Projeto luso-espanhol apoia investigação e inovação nas empresas em três regiões

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

Ayudas PAC: proyecto sobre los cambios en los plazos de la actual campaña de solicitud

Teniendo en cuenta las dificultades que plantea la presentación de solicitudes de ayudas de la PAC en el actual estado de alarma por el coronavirus y las medidas de flexibilidad que ha introducido la Comisión Europea para su gestión, […]

Sugeridas

Agromais faz 30 anos

Um exemplo na organização da produção agrícola nacional
No âmbito das comemorações dos 30 anos da AGROMAIS, teremos a oportunidade de juntar muitas das personalidades e parceiros que marcaram o crescimento da nossa organização ao longos destas três décadas. […]

Últimas

Más de 40.000 beneficiarios de la PAC renunciaron a presentar su solicitud en 2018 y dejaron de ingresar 26,4 millones

El número de beneficiarios de la PAC, con sus derechos e importes correspondientes, que estando admitidos al Régimen de pago básico no han presentado la Solicitud Única 2018, […]