Já há data. Mercadona inaugura 1.º supermercado em 2 de julho em Gaia

Já há data. Mercadona inaugura 1.º supermercado em 2 de julho em Gaia

[Fonte: Notícias ao minuto]

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, vai inaugurar em 2 de julho em Canidelo, concelho de Vila Nova de Gaia, o seu primeiro estabelecimento em Portugal e até ao final do ano abrirá mais nove, todos no norte.

O anúncio foi feito hoje em Valência por Juan Roig, presidente da empresa que tem 27,5% do comércio a retalho de produtos alimentares de grande consumo em Espanha, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa.

“Vamos começar por abrir 10 supermercados este ano na região do Porto, Aveiro e Braga, e vamos continuar por aí abaixo até Lisboa”, disse Juan Roig, que indicou que o objetivo futuro será abrir até 150-200 estabelecimentos, entre os quais 70 na região norte.

A empresa vai inaugurar o seu primeiro supermercado em 02 de julho em Canidelo, concelho de Vila Nova de Gaia, e durante o mesmo mês outras três superfícies – Maia, Gondomar e Matosinhos -, a que se seguirão, até ao fim do ano, mais seis, também no norte – Porto, Ovar, Braga, São João da Madeira, Barcelos e Vila Nova de Gaia.

A cadeia líder de supermercados espanhola teve lucros de 593 milhões de euros em 2018, um aumento de 84% em relação a 2017, com as vendas a subirem 6%, para os 24.305 milhões de euros.

Juan Roig explicou que “em Portugal a empresa vai ser portuguesa, com sede social no Porto”, apesar de a sua origem ser Valência, Espanha.

A empresa já tem 300 trabalhadores em Portugal e até ao fim do ano deverá chegar aos 1.000, havendo a previsão de que sejam necessários cerca de 50-60 empregados em cada um dos estabelecimentos que vão abrir.

A empresa comprou 88 milhões de euros a fornecedores portugueses em 2018 e prevê um aumento em 2019, a contar com as vendas nos estabelecimentos que vão abrir no país.

Segundo Juan Roig, cerca de 50% dos produtos alimentares vendidos em Portugal serão diferentes dos que a Mercadona vende em Espanha, mas a empresa continua a fazer testes sobre a preferência dos consumidores lusos no centro de co-inovação que tem em Matosinhos.

A empresa investiu 60 milhões de euros em Portugal no ano passado e, no total dos anos em que está presente no país, desde 2016, o valor acumulado sobe para 160 milhões.

“Estamos muito orgulhosos da nossa presença em Portugal”, disse o presidente da Mercadona, acrescentando que em Portugal, e ao contrário de Espanha, os supermercados vão estar abertos também ao domingo, porque “é o segundo dia da semana em que se vende mais”, sendo sábado o primeiro.

O presidente da maior cadeia de supermercados espanhola avançou que não irá adquirir outras empresas do setor e que a estratégia é que a expansão se faça “como uma mancha de azeite” que se vai expandindo, de norte para sul.

Comente este artigo
Anterior Governo altera regime do PNRegadios para garantir "clareza" e "segurança"
Próximo Em Évora há “vacas alegres” e o seu número não vai ser reduzido

Artigos relacionados

Últimas

Capoulas Santos garante que as “medidas agro-ambientais estão asseguradas”

[Fonte: rádio PAX]
Capoulas Santos, Ministro da Agricultura, esteve esta semana, em Castro Verde, na sessão comemorativa dos 30 anos da Associação de Agricultores do Campo Branco, onde garantiu que as “medidas agro- ambientais estão para já, asseguradas”.
O Ministro da Agricultura referiu que “o financiamento” para as agro-ambientais “de mais de 200 milhões de euros está garantido”. […]

Notícias PAC pós 2020

Bruselas trabaja en una herramienta para el uso sostenible de los fertilizantes

[Fonte: Agropopular – UE]
La Comisión Europea ha anunciado que está trabajando en el desarrollo de una herramienta que ayudará a los agricultores a gestionar el uso de nutrientes y fertilizantes en sus explotaciones. Ha recordado que sus propuestas de reforma de la PAC incluyen, […]

Sugeridas

Marcelo exige ação a Costa e dá a palavra ao Parlamento

[Fonte: RTP] O Presidente da República considera que o Parlamento deve clarificar ao país se quer ou não manter o Governo de António Costa em funções. Marcelo Rebelo de Sousa defende ainda que o Executivo deve um pedido de desculpas aos familiares das vítimas dos incêndios florestais de junho e de outubro.