Itália quer legalizar 650 migrantes ilegais para trabalharem nos campos e na assistência aos idosos

Itália quer legalizar 650 migrantes ilegais para trabalharem nos campos e na assistência aos idosos

A ideia é contestada pela extrema-direita e pelo movimento Cinco Estrelas, mas um investigador explica que não vale a pena pensar que os desempregados italianos se vão dispor a ir apanhar laranjas

Itália vai atribuir licenças de trabalho a centenas de milhares de migrantes ilegais que se encontram no país e que têm sido, conforme o governo explica, essenciais para dar assistência aos idosos e para garantir o fornecimento de géneros alimentares.

Com a interrupção do habitual fluxo sazonal de cidadãos do leste da Europa para trabalhar nas colheitas, a solução será recorrer a migrantes que já se encontram no país – africanos, indianos e paquistaneses, entre outros. Além dos trabalhadores agrícolas, haverá cerca de 100 mil migrantes que dão normalmente assistência a pessoas em suas casas mas que, atualmente, por terem perdido os empregos durante o confinamento estrito imposto no país, se encontram ilegais. Ao todo, estão em causa 650 mil pessoas.

O plano agora apresentado é contestado por políticos de extrema-direita (Matteo Salvini diz que a prioridade neste momento não é legalizar imigrantes clandestinos). A associação dos agricultores italianos também diz preferir o esquema, adotado pelo Reino Unido e por outros países europeus, de organizar transporte aéreo para ir buscar os trabalhadores sazonais ao leste da Europa.

Depender dos italianos? Não vale a pena

Quem apresentou a proposta foi Teresa Bellanova, a ministra da Agricultura, e a sua história pessoal talvez ajude a explicar porquê. Aos 14 anos, Bellanova deixou a escola para ir trabalhar no campo, tornando-se sindicalista ainda na adolescência. Se a sua iniciativa for recusada, ameaça demitir-se.

A ideia é a de atribuir licenças de trabalho válidas por seis meses e renováveis. O ministro para o sul de Itália, Peppe Provenzano, citado pelo “The Times” explicou: “A comida nas nossas mesas vem desses campos. Agora temos de conceder esses direitos que têm sido negados a quem trabalha neles”.

O movimento Cinco Estrelas, que integra a coligação governamental, diz que se deve dar antes aos desempregados italianos a oportunidade de ir trabalhar nas colheitas, mas um investigador também citado pelo “The Times”, o especialista em migrações Matteo Villa, sugeriu que não vale a pena: “Os italianos preferem continuar desempregados a ir apanhar laranjas”.

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior infowine.forum 2020 completamente digital - 12 a 14 de maio
Próximo Covid-19: Portugal tem "oportunidade de ouro" com a crise, diz presidente do grupo José de Mello

Artigos relacionados

Últimas

Vinhos portugueses em concurso ibérico à conquista do “difícil” mercado espanhol

Os produtores de vinhos de várias regiões de Portugal estão a apostar no “difícil” mercado espanhol e da América Latina, através de um concurso ibérico que anualmente se realiza na aldeia raiana de […]

Notícias PAC pós 2020

Commission publishes study on information measures under the common agricultural policy

The information policy on the common agricultural policy (CAP) was successful in improving understanding and perceptions of the policy […]

Notícias meteorologia

Previsão do tempo para a semana 19-25 Julho.

“Previsão do tempo para a semana- Calor abafado e trovoadas no início da semana, mais vento para o fim.” […]