Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. “Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto”

Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. “Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto”

Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. “Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto”

17 jun, 2019 – 06:20 • Joana Gonçalves

A aldeia de Marinha do Vale Carvalho, na Sertã, continua sem comunicações, dois anos depois do grande incêndio que devastou a zona. Os terrenos e as faixas de gestão de combustível permanecem por limpar. Os proprietários sentem-se esmorecidos, sem vontade de investir, e os concursos públicos estão desertos. Os moradores destas aldeias estão cada vez mais isolados. Este 17 de Junho assinala-se, pela primeira vez, o dia em memória das vítimas de incêndios florestais, dois anos depois da morte de 116 pessoas, no pior ano de incêndios florestais em Portugal.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior The Navigator Company apela aos mais novos para a preservação da floresta e meio ambiente
Próximo Seminário “Novas oportunidades agrícolas no Perímetro de Rega do Mira” - 27 de junho - Odemira

Artigos relacionados

Dossiers

Questionário Gestão de pinheiro-bravo em Portugal: motivações e práticas de gestão e exploração

O projeto SusPiRe – “Uma ferramenta para a gestão sustentável de florestas de Pinus pinaster, com base na previsão da sua regeneração espontânea”- é promovido pela Universidade […]

Últimas

João Almeida: “Não vejo problema nenhum em dialogar com o Governo”

João Almeida, 44 anos, um dos cinco candidatos que vai disputar o congresso deste mês, defende que o CDS tem de falar sobre segurança e agricultura. […]

Últimas

Nunca se produziu tanta azeitona para azeite em Portugal

A produção de azeitona para azeite atingiu um pico histórico no ano passado, de mais de 940 mil toneladas, tornando-se “a maior desde 1941”, […]