Investigadores avaliam risco para abelhas melíferas

Investigadores avaliam risco para abelhas melíferas

O projeto ‘ApisRAM’, que “pretende validar um modelo de avaliação de risco para colónias de abelhas melíferas a nível europeu”, vai reunir em Coimbra “especialistas da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) e investigadores do Brasil, Dinamarca, França, Irlanda, Itália e Portugal” entre os dias 22 e 24 de janeiro.

De acordo com José Paulo Sousa, coordenador da equipa portuguesa que é composta por sete investigadores do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), este modelo “permitirá prever o estado de saúde das colónias de abelhas adotando uma abordagem holística ao problema, integrando não apenas informação sanitária sobre as colónias (por exemplo, incidência de varroa e outras doenças) e efeitos derivados da exposição a pesticidas, mas também a influência da composição e gestão da paisagem (essencialmente ao nível de práticas agrícolas e disponibilidade de recursos florais”.

A solução desenvolvida no âmbito do ApisRAM será utilizada pela EFSA, que financia o projeto, e pelos diferentes países europeus, “não só na avaliação de risco de pesticidas para abelhas, mas também por outras agências (por exemplo, DG AGRI e DG ENV) como ferramenta de gestão do território, permitindo a tomada de decisões sobre as práticas de gestão ao nível da paisagem para minimizar o risco para estes polinizadores”, diz ainda o investigador.

Recorde-se que em 2018, o Parlamento Europeu propôs medidas de “grande escala” para proteger a saúde das abelhas, apoiar os apicultores europeus e promover o mel e a sua utilização enquanto produto terapêutico.

Atualmente, a União Europeia tem cerca de 600 mil apicultores, 10 698 dos quais em Portugal, de acordo com dados publicados pela Comissão Europeia em 2016. No total, produzem-se anualmente, no espaço comunitário, cerca de 250 mil toneladas de mel, o que faz da UE o segundo maior produtor mundial, logo a seguir à China.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior I Encontro Nacional dos Produtores de Espargo é já na próxima semana
Próximo As primeiras alfaces em Marte podem ser portuguesas

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios: Política de gestão florestal é “desastre” que prejudica proprietários

A política de gestão da floresta, desde os incêndios de 2017, tem sido “um desastre”, em que “o ónus cai todo em cima dos proprietários”, […]

Últimas

Live-stream: Milho e Alimentos Compostos para Animais

Divanildo Outor Monteiro, coordenador do Colégio de Engenharia Agronómica – Norte, abriu esta conferência lembrando que “o sector dos […]

Nacional

Fórum Internacional de Robótica Agrícola (FIRA) 2019 – 10 e 11 de dezembro – França

O Fórum Internacional de Robótica Agrícola é o lugar certo para conhecer os atores do setor e discutir ativamente o uso de robôs na agricultura, […]