Intervenção da ADACO permite que os Orizicultores possam fazer a sua sementeira a tempo e horas

Intervenção da ADACO permite que os Orizicultores possam fazer a sua sementeira a tempo e horas

Os orizicultores englobados na produção integrada são obrigados, num hectare de arroz, a semearem 120 Kg de arroz selecionado e certificado.

No Baixo-Mondego há falta de arroz de semente certificado das qualidades “Ariete” e “Tete”, devido a problemas nos países fornecedores destas duas qualidades – Itália principalmente mas também Espanha, foi reduzida a produção de semente, e ela não está a chegar a Portugal.

Ou seja não há em quantidade suficiente  arroz certificado das duas  principais variedades que se semeiam no Baixo-Mondego; as outras qualidades existentes no mercado não são compatíveis com os nossos solos, a sua produtividade é muito baixa, e a Indústria não quer este arroz.

O arroz cultivada no Baixo-Mondego através das medidas agro-ambientais (produção integrada)  são   2/3 da área, ou seja 5000, dos cerca de 7000 ha de área de  arroz cultivados.

Ou seja a maioria dos orizicultores estavam com a sementeira em risco.

Foi constatado pela ADACO, que a única forma de resolver o problema a tempo e horas, era a diminuição da quantidade de arroz selecionado, por hectare semeado.

A ADACO- Associação Distrital dos Agricultores de Coimbra  solicitou á DGADR que face á situação, na sementeira de arroz  de 2019 a percentagem de arroz selecionado num hectare,  fosse  reduzida de 120 para 90 KG, de forma a haver arroz selecionado,  para   todos ..

O pedido da ADACO foi aceite, e por DESPACHO Nº 15/DG/2019   de 10 de Abril da DGADR – Direção Geral da Agricultura e Desenvolvimento Rural – é autorizado  que a título excepcional, para o ano de 2019, a quantidade mínima de semente certificada das variedades de arroz carolino ARIETE E TETI, possa ser reduzida de 120 KG para 90 KG/ha.

Esta diminuição de 30 Kg /ha vai permitir que todos os orizicultores dentro da produção integrada, possam começar a sua sementeira, ainda neste mês de Abril.

→ Consulte aqui o despacho da DGADR←

Coimbra, 12 de Abril de 2019

P’lA Direção da ADACO

 Isménio Oliveira

 Coordenador

Comente este artigo
Anterior Parlamento aprova fim dos plásticos na venda de pão, fruta e legumes
Próximo MAI muda regras de acesso a guarda florestal após polémica

Artigos relacionados

Comunicados

Second generation biofuels is not for tomorrow…

[Fonte: Farm Europe]
On November 30, the European Commission finally detailed the new clean energy package of measures. Among the new proposals, […]

Comunicados

Sul do Baixo Alentejo sem Água

Nos últimos anos a região mais a sul do baixo Alentejo tem sido severamente afetada pela escassez de precipitação, em contraste com outras regiões do Pais. […]

Comunicados

Feijoada vegetariana portuguesa pronta-a-comer compete pelo Pódio Europeu da Inovação Alimentar

Press Release Prémio ECOTROPHELIA Portugal 2018 – 15.10.2018
Bean Ready, uma feijoada vegetariana pronta-a-comer com produtos tradicionacportugueses, fonte de fibra e proteína, […]