Industriais da madeira e mobiliário “chocados” com hipótese de “taxa das celuloses”

Industriais da madeira e mobiliário “chocados” com hipótese de “taxa das celuloses”

O presidente da Associação das Industrias da Madeira e Mobiliário diz que a designação “taxa das celuloses” não passa de uma acção de marketing por “parecer que o povo aceitaria melhor essa taxa apresentada desta forma”.

A Associação das Industrias da Madeira e Mobiliário (AIMMP) mostra-se “chocada” com a possibilidade do Governo decidir avançar com a “taxa das celuloses”.

O presidente da AIMMP, Vitor Poças, diz à Renascença “não conseguir compreender como é que um Governo se permite taxar uma indústria que é das mais exportadores em Portugal, e com maior valor acrescentado nacional, prejudicando a sua competitividade nos mercados internacionais”.

“Uma pequena serração também irá pagar”, aponta o dirigente, acrescentando que “o sector vive em concorrência perfeita no mercado internacional, onde um cêntimo no preço de uma palete pode ser decisivo para o negócio”.

Vítor Poças sublinha que uma medida deste tipo envolve todas as industrias de base florestal e que a designação “taxa das celuloses” não passa de uma acção de marketing por “parecer que o povo aceitaria melhor essa taxa apresentada desta forma”.

“Não faltam regras para cobrar” taxas e impostos, mas “não há regras para aplicar” o dinheiro que o estado arrecada, lamenta o dirigente associativo e empresário.

O presidente da AIMMP revela, ainda, que pediu uma reunião ao secretário de Estado das Florestas e que aguarda pela marcação do encontro. Poças lamenta o facto de o Governo “ainda não ter respondido ao pedido” formulado há mais de quinze dias, mas mantéma “disponibilidade para dialogar”.

A “taxa das celuloses” foi inscrita no Orçamento do ano passado, mas 2019 terminou sem que o Governo legislasse.

Este ano, o Bloco de Esquerda voltou a recordar o tema e o ministro do Ambiente admitiu avançar com a medida este ano.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Impacto da praga de javalis discutido na Assembleia da República
Próximo João Ponte: Recuperação financeira das cooperativas em São Jorge gera confiança no futuro agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Oportunidade de negócio: Empresa húngara procura produtores de azeite, sementes, frutos secos e leite

Uma empresa húngara, retalhista de produtos alimentares e processos industriais alimentares, está à procura produtores ou distribuidores de margarina, levedura, produtos de soja, […]

Nacional

Governo autoriza despesa no IFAP para melhorar sistema informático de apoios europeus

O Conselho de Ministros aprovou hoje, 27 de Junho, a autorização para a realização de despesa, pelo IFAP — Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas para melhorar o seu sistema informático de pagamentos dos apoios europeus. […]