Incentivos à Inovação Produtiva: um sprint final até aos 501 milhões

Incentivos à Inovação Produtiva: um sprint final até aos 501 milhões

O financiamento total previsto no âmbito deste aviso é de 501 milhões de euros. Um valor recorde que certamente irá potenciar o investimento empresarial em atividades de inovação.

No âmbito do Portugal 2020, estão a decorrer, até ao dia 15 de março, as candidaturas ao Sistema de Incentivos de Inovação Produtiva, destinado ao apoio de projetos que contribuam para o aumento do investimento das Grandes Empresas em inovação e para o reforço da capacitação das Pequenas e Médias Empresas (PME) no desenvolvimento de bens e serviços. Neste contexto, foi publicado o aviso nº 31/SI/2018, que reflete uma das recentes alterações que resultou da reprogramação do Portugal 2020.

A natureza dos apoios para projetos de “Inovação Produtiva” passa a assumir, regra geral, um formato híbrido, integrando uma componente não reembolsável e uma reembolsável, sendo esta última suportada por instituições de crédito. Com esta alteração, a componente não reembolsável é atribuída a título não definitivo até à avaliação dos resultados do projeto, nomeadamente do grau de cumprimento das metas, entre elas o valor acrescentado bruto, a criação de emprego qualificado ou o volume de negócios.

Os principais requisitos de elegibilidade que constam neste aviso são os seguintes:

  • A data de candidatura terá de ser anterior à data de início dos trabalhos, considerando para o efeito qualquer compromisso que torne o investimento irreversível;
  • A despesa elegível total terá de estar compreendida entre 75 mil e 25 milhões de euros;
  • Até à data do primeiro pagamento, deve ser investido um mínimo de 25% dos capitais próprios previstos no plano de financiamento do projeto;
  • As fontes de financiamento do projeto devem estar asseguradas, nomeadamente através da aprovação de um crédito bancário numa instituição com protocolo com o Portugal 2020 (esta regra não se aplica em algumas situações);
  • O rácio de autonomia financeira em 2017 não pode ser inferior a 15% para PME e a 20% para Grandes Empresas;
  • O rácio despesa elegível/ativo fixo líquido terá de ser igual ou superior a 10%.

A definição do apoio atribuído decorre da aplicação de uma taxa base (às despesas elegíveis), sujeita a majorações, nomeadamente para os projetos:

  1. localizados em territórios de baixa densidade;
  2. que impliquem a criação de novas unidades e de postos de trabalho qualificados;
  3. realizados por PME que, prescindindo do empréstimo bancário, apresentem uma cobertura do investimento do projeto por capitais próprios superior a 25%;
  4. realizados por PME com investimentos elegíveis inferiores a 15 milhões de euros nas áreas da Indústria 4.0.

O limite máximo da taxa de financiamento é de 75%, no entanto, para projetos a localizar na região de Lisboa é de 40% e na região do Algarve é de 60%. No caso dos projetos promovidos por PME, com investimento inferior a 15 milhões de euros, o apoio é dividido em duas componentes (50% não reembolsável e 50% reembolsável) e, no caso dos projetos a realizar por Grandes Empresas ou com investimento elegível igual ou superior a 15 milhões de euros, é assumido unicamente como não reembolsável.

O financiamento total previsto no âmbito deste aviso é de 501 milhões de euros. Um valor recorde que certamente irá potenciar o investimento empresarial em atividades de inovação.

Está preparado para um sprint final até terminar o prazo de candidatura?

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior MP arquiva inquérito a alegada fraude na entrega de donativos
Próximo Inspeção Regional do Ambiente realizou 157 inspeções em 2018

Artigos relacionados

Últimas

PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido

O PSD está disponível para viabilizar o regime simplificado de cadastro predial proposto pelo Governo, mais conhecido pelas terras sem dono, […]

Últimas

Live-stream: Tendências do Consumo no Agroalimentar

Este webinar conta com o contributo de vários oradores, especialistas dos diferentes lados do consumo: […]

Nacional

Viver sem plástico, carne e emissões de CO2 é o repto para a Hora do Planeta

A Hora do Planeta converteu-se “num movimento que vai muito mais além” do que apagar a luz, explicou à agência noticiosa Efe Miguel Ángel Valadares, […]