Incêndios: UE apoia Portugal com mapas satélite para combate em Proença-a-Nova

Incêndios: UE apoia Portugal com mapas satélite para combate em Proença-a-Nova

O Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia (UE) está a acompanhar “de perto” os incêndios em Portugal, nomeadamente o de Proença-a-Nova, tendo hoje disponibilizado mapeamento por satélite de emergência, anunciou a Comissão Europeia.

“Com base num pedido urgente de mapeamento por satélite recebido por Portugal relativamente aos incêndios que afetam o concelho de Proença-a-Nova, Castelo Branco, o Centro de Coordenação de Resposta de Emergência ativou o serviço de gestão de emergências Copernicus em modo de mapeamento rápido”, indica a Comissão Europeia em comunicado.

Assegurando que este serviço de proteção civil europeu criado para acompanhar desastres e ocorrências está a “acompanhar de perto os incêndios em Portugal”, o executivo comunitário realça que “as imagens de satélite proporcionam uma avaliação do impacto e da extensão dos incêndios e são um auxilio muito importante para o combate eficaz ao incêndio que se propaga devido ao vento forte”.

Segundo a informação disponibilizada na página da internet do Copernicus, Portugal pediu, através da Autoridade Nacional de Proteção Civil, apoio a Bruxelas no domingo à tarde para dispor de mapas satélite para combater o fogo em Proença-a-Nova, com a ativação a ser feita já hoje de manhã.

“Este incêndio está a alastrar rapidamente devido aos ventos fortes. O combate ao fogo envolve várias forças e meios aéreos”, refere o registo da ocorrência, consultado pela Lusa, na mesma página ‘web’.

O fogo que deflagrou em Proença-a-Nova no domingo regista um perímetro com mais de 55 quilómetros, informou hoje a Proteção Civil.

O incêndio começou na tarde de domingo em Proença-a-Nova e estendeu-se aos concelhos de Castelo Branco e Oleiros.

Às 15:45, de acordo com a Proteção Civil, estavam no local 955 operacionais, apoiados por 315 viaturas terrestres e 15 meios aéreos.

Comente este artigo
Anterior A renewed trade policy for a stronger Europe
Próximo Incêndios: Aldeias de Oleiros queixam-se da falta de meios na madrugada

Artigos relacionados

Sugeridas

Dentro da primeira fábrica de canábis medicinal em Portugal

[Fonte: Observador] Seguranças, arame farpado, laboratórios e milhares de plantas em estufas. Primeira fábrica de canábis medicinal do país fica em Cantanhede, […]

Nacional

Zitos apanhou uvas para se formar e criou adega modelo em Carrazeda de Ansiães

Desde há sete anos que a Douro Ansiães faz vinho do Porto, recebe o excedente de uvas de 600 viticultores do concelho transmontano ribeirinho do Douro, […]

Nacional

Dois anos depois, o regresso às casas vai normalizando a vida das famílias

Trabalhos de limpeza na zona da Ribeira de Alge, queimada pelo fogo, dois anos depois do incêndio

A vida de Rosalina Rosa, […]