Incêndios: Testes concluem que golas antifumo não se inflamam quando expostas ao fogo

Incêndios: Testes concluem que golas antifumo não se inflamam quando expostas ao fogo

O relatório preliminar a que a Lusa teve hoje acesso refere que após vários testes e exames a “golas iguais às que foram distribuídas à população”, no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, que “as golas testadas não se inflamaram, isto é, não entraram em combustão com chama – mesmo quando sujeitas a um fluxo de calor de muito elevada intensidade”.

O mesmo documento acrescenta que os testes revelaram que as golas não inflamaram “mesmo quando colocadas a uma distância inferior a 50 centímetros das chamas, durante mais de um minuto”.

Os ensaios concluíram ainda que as golas chegam a furar quando testadas a cerca de 20 centímetros das chamas, mas sem arderem.

O Jornal de Notícias noticiou na sexta-feira que 70 mil golas antifumo fabricadas com material inflamável e sem tratamento anticarbonização foram entregues à população abrangida pelo programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” e custaram 125 mil euros.

Após essas notícias, que já levaram à demissão de Francisco Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, mandou efetuar, através da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), testes e um relatório ao Centro de Investigação de Incêndios Florestais (CIIF), dirigido por Xavier Viegas.

Os testes destinaram-se “a avaliar o comportamento das golas quando expostas a um ambiente próximo de um incêndio florestal” e, “em concreto, avaliar se as referidas golas se inflamavam quando sujeitas a um forte fluxo radiativo, semelhante ao de uma frente de chamas como as que ocorrem em incêndios florestais, podendo colocar em perigo o seu utente, pelo facto de entrarem em combustão”.

A ANEPC entregou um conjunto de 28 golas idênticas às que foram distribuídas à população, para a realização dos ensaios.

Os ensaios foram realizados no Laboratório de Estudos sobre Incêndios Florestais no dia 28 de julho de 2019 e na realização dos ensaios estiveram envolvidas nove pessoas.

O CIIF refere que o documento “constitui um relatório preliminar muito sucinto, uma vez que não foram ainda analisados muitos dos parâmetros que foram objeto de medição e registo durante os ensaios”.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Agricultores lesados pelos javalis manifestam-se em Lisboa para exigir indemnizações e apoio do Governo
Próximo Espaço Visual alerta agricultores para antecipação do VITIS

Artigos relacionados

Nacional

Direção-Geral de Alimentação e Veterinária alerta para implementação de medidas de prevenção da Peste Suína Africana

[Fonte: Rádio Campanário] A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) alertou esta quarta-feira, 2 de outubro, para os riscos da Peste Suína Africana (PSA), […]

Últimas

SEF apanhou 773 patrões a usar imigrantes ilegais nas suas empresas

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) identificou 773 patrões a usar imigrantes ilegais, entre janeiro de 2018 e julho de 2019. […]

Últimas

Aprovado Programa de Ação para a Adaptação às Alterações Climáticas

[Fonte: Rede Rural Nacional] Foi aprovado em Resolução do Conselho de Ministros n.º 130/2019, de 2 de agosto, […]