Incêndios: Publicado regulamento de fundo de apoio às populações afectadas

Incêndios: Publicado regulamento de fundo de apoio às populações afectadas

 O regulamento de funcionamento do Fundo REVITA, com regras de apoio às populações e à revitalização de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande, que sofreram incêndios, foi publicado neste sábado e pode ser consultado em www.fundorevita.pt.

Segundo indicou à agência Lusa fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o regulamento de funcionamento do Fundo Revita, tornado público neste sábado, estabelece os critérios de prioridade de intervenção e os critérios para a adesão ao fundo.

O regulamento permite, através de um termo de adesão, efectivar a adesão destas entidades ao fundo.

O decreto-lei que cria o Fundo REVITA prevê a celebração de protocolos com entidades privadas não lucrativas que detenham experiência para a concretização e execução da revitalização das áreas afectadas, promovendo a colaboração com outros instrumentos de apoio à região no domínio solidário.

“O objectivo do Fundo é a gestão eficiente, coordenada e transparente dos apoios alocados a este fundo, na sua afectação aos que deles necessitam, promovendo um reforço da celeridade em todo o processo de revitalização das áreas afectadas”, segundo o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O Fundo Revita surgiu em resultado dos incêndios de grandes proporções que afectaram os concelhos de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande em Junho, tendo provocado 64 mortos e mais de 250 feridos, bem como sérios prejuízos materiais.

“Os portugueses, num enorme esforço nacional de solidariedade, procuraram atenuar os prejuízos patrimoniais sofridos pelas populações destes concelhos, o que se traduziu em numerosos donativos destinados à reconstrução das habitações e da vida das pessoas afectadas pelos incêndios. A este esforço nacional, juntou-se o apoio financeiro de várias entidades internacionais”, indica o ministério.

Neste contexto, o Governo decidiu criar o REVITA, um fundo de âmbito social, com o objectivo de gerir os donativos entregues no âmbito da solidariedade demonstrada, em estreita articulação com os municípios de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande.

Um decreto-lei de 07 de Julho último determina que a gestão do Fundo fique a cargo de um Conselho de Gestão constituído por um representante do Instituto da Segurança Social, um representante das câmaras municipais de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande (Fernando José Pires Lopes) e um representante das instituições particulares de solidariedade social e associações humanitárias de bombeiros, a nível distrital (Joaquim Guardado).

Em entrevista à RTP, na sexta-feira à noite, o secretário de Estado da Coesão e Desenvolvimento, Nelson Souza,

Comente este artigo
Anterior Povos da Serra da Lousã juntaram-se no alto no monte para repensar o futuro
Próximo Pedrógão: Governo acusa Passos Coelho de aproveitamento político e de "falar do que não sabe"

Artigos relacionados

Sugeridas

Trémie Amazone XTender, semoir d’inter-cultures pour déchaumeur à dents ou à disques

La trémie se fixe entre le tracteur et l’outil pour plus de stabilité (©Amazone)
« La fertilisation placée durant la préparation du sol représente une solution pour mettre au mieux les substances nutritives à disposition des plantes. Des avantages logistiques privilégient également la fertilisation durant la préparation du sol par rapport à la fertilisation durant le semis, […]

Nacional

Cardo, o novo ouro da Serra da Estrela

[Fonte: Gazeta Rural]

Portugal está a aumentar a área cultivada do cardo, uma pequena planta roxa que é indispensável para a feitura do queijo mas que dentro em breve poderá ser usada nas indústrias do futuro.
O país ainda não é autossuficiente mas a Serra da Estrela caminha, […]

Nacional

Balança comercial dos produtos de origem florestal positiva em 2,5 mil M€ em 2016

[Fonte: Agricultura e Mar]
O saldo da balança comercial dos produtos de origem florestal registou um excedente de 2,6 mil milhões em 2015 e de 2,5 mil milhões em 2014 e 2016. A cortiça continua a liderar as exportações.
O aumento do excedente comercial em 2015 cifrou-se em 89,6 milhões de euros e foi determinado pelo maior acréscimo do valor das exportações relativamente ao valor das importações, […]