Incêndios. PSD questiona Governo sobre razões de Portugal estar fora da rede europeia

Incêndios. PSD questiona Governo sobre razões de Portugal estar fora da rede europeia

O PSD questionou hoje o Governo sobre as razões de Portugal estar atualmente fora do novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil, criado depois dos incêndios de 2017, manifestando-se surpreendido com tal decisão.

“É com grande estupefação e surpresa que Portugal não estão neste mecanismo”, disse à agência Lusa o deputado social-democrata Duarte Marques e terceiro na lista do PSD por Santarém às eleições legislativas, sublinhando que o país “é o primeiro interessado nesta matéria”.

O novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil, conhecido como “rescEU”, foi aprovado pela União com o objetivo de reforçar a sua capacidade em matéria de prevenção e resposta a catástrofes, como incêndios florestais e inundações, sendo uma decisão tomada pelos líderes europeus na sequência dos incêndios florestais em Portugal em 2017 e na Grécia em 2018.

Este novo mecanismo reforçado prevê a criação de uma reserva de ativos de resposta a nível europeu, complementando as capacidades nacionais, e que inclui aviões de combate aos incêndios florestais, bombas de água especiais, equipas de busca e salvamento em meio urbano, hospitais de campanha e equipas médicas de emergência. Entre as ações previstas incluem-se igualmente o envio de missões de peritos, um mecanismo de consulta e a criação de uma Rede Europeia de Conhecimentos sobre Proteção Civil.

Este mecanismo está atualmente na chamada “fase de transição”, na qual os Estados-membros podem participar, alocando meios à rede europeia, beneficiando das despesas cobertas pelo programa a 75%.

Neste momento, decidiram aderir a esta fase seis países, estando à disposição 15 meios aéreos prontos a intervir em qualquer país da UE.

O Jornal Público refere, na sua edição de hoje, que Portugal está de fora do “rescEU” e até agora ainda não se conhecem as intenções do Governo.

Duarte Marques considerou esta atitude “inaceitável e irresponsável por parte do Governo”, frisando que “não se entende”, como é que Portugal, “primeiro interessado neste novo mecanismo de solidariedade europeu, não integra o rescEU e desperdiça a oportunidade de beneficiar do financiamento previsto”.

Nesse sentido, o PSD questiona o Ministério da Administração Interna (MAI) sobre as razões de Portugal estar atualmente fora do novo RescuEU, apesar de o Governo ter afirmado o seu empenhamento.

Os social-democratas querem também saber “porque abdicou o Governo de integrar o RescEU” nesta fase de transição, uma vez que poderia ter permitido a Portugal financiar parte das despesas de aluguer das aeronaves atualmente ao dispor da proteção civil portuguesa.

O PSD questiona também o Ministério tutelado por Eduardo Cabrita se o Governo pretende vir a integrar “de forma permanente o RescEU”.

“Tendo em conta que os diferentes países da UE estão já a negociar o posicionamento e meios a alocar ao mecanismo, tem o Governo alguma previsão ou plano sobre as necessidades que vai ter e quantos meios prevê comprar ou alugar ao abrigo do RescUE que pode financiar até 90% desse investimento”, pergunta ainda o PSD.

Entretanto, numa resposta enviada à agência Lusa, o MAI refere que “Portugal, tal como os restantes países da União Europeia, está a participar nas três ‘task teams’ constituídas ao nível da Comissão Europeia para planear e identificar tipologias de meios a incluir no rescEU para as três áreas de intervenção consideradas como prioritárias”, designadamente emergência médica, combate a incêndios e incidentes envolvendo agentes Nucleares, Radiológicos, Biológicos e/ou Químicos (NRBQ).

O MAI adianta que, na fase intermédia de implementação, os únicos meios previstos dizem respeito a uma fase específica de transição e prendem-se “apenas com meios aéreos de combate a incêndios florestais próprios dos Estados-Membros”.

“Não obstante encontrarmo-nos ainda nessa fase de transição, Portugal tem já módulos registados na Reserva Europeia de Proteção Civil e a possibilidade de prestação de ajuda internacional, por parte do nosso país, não está dependente da criação de capacidades rescUE”, salienta o MAI.

O Ministério da Administração Interna indica ainda que “a participação de Portugal no âmbito do mecanismo é efetiva”, como aconteceu com o apoio prestado à Suécia, em 2018, com o envio de meios aéreos de combate a incêndios, ou a Moçambique, já este ano, após a tempestade Idai.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Azeite e Azeitona – Informação Semanal – 16 a 22 Setembro 2019
Próximo PDR2020: Investimento de jovens agricultores na exploração agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Portugueses “abandonados” em Buenos Aires sem voo de regresso

Cerca de 45 portugueses estão retidos em Buenos Aires, na Argentina, depois dos voos de regresso a Portugal, previstos para amanhã, […]

Nacional

G7 de acordo em ajudar rapidamente países afetados por incêndios na Amazónia

“Há uma verdadeira convergência para dizer: ‘nós concordamos em ajudar o mais rapidamente possível os países que são atingidos pelos fogos’”, […]

Últimas

Sector agroalimentar melhora autonomia financeira e gera negócios de 18 mil M€ em 2018

O sector agroalimentar nacional gerou um volume de negócios de 18 mil milhões de euros em 2018. Sem grandes riscos de incumprimento, […]