Incêndios: Movimento de Vítimas diz que há “milhares de agricultores” sem ajudas

Incêndios: Movimento de Vítimas diz que há “milhares de agricultores” sem ajudas

O Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões (MAAVIM), com sede em Tábua, disse hoje que “milhares de agricultores” lesados pelos incêndios de 15 de outubro de 2017 “nunca receberam ajudas” do Estado.

Quatro anos depois da tragédia que assolou cerca de 30 municípios da região Centro, há também “centenas de empresas, especialmente na área florestal, que não receberam qualquer apoio”, tendo “muitas famílias” ficado sem trabalho, disse à agência Lusa o porta-voz do MAAVIM, Nuno Tavares Pereira.

Lamentou, por outro lado, que “dezenas de famílias nunca receberam apoio para a sua habitação, mesmo depois de tantas promessas”, e que faltou ainda um “plano de reflorestação e desenvolvimento regional das zonas afetadas pela catástrofe”.

“Prometeram-nos o verde e ficámos com as cinzas”, afirma o empresário, também presidente da cooperativa Capital dos Frutos Silvestres, com sede em Oliveira do Hospital, num comunicado hoje divulgado pelo movimento.

Nas áreas agrícola e florestal, “existem milhares de agricultores que nunca receberam os apoios prometidos, mesmo tendo feito o requerimento indicado” pelo Ministério da Agricultura, além de que “estão milhões de euros por entregar”.

“Ainda não foram pagos 20% das candidaturas aprovadas na área da indústria, passados quatro anos, segundo o último relatório, que é de 15 de dezembro de 2020”, de acordo com a nota.

O MAAVIM insiste na existência de “candidaturas de empresas com perdas que foram chumbadas” e alega que continuam sem casa “centenas de pessoas (…) que em outubro de 2017 perderam tudo”.

“A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) chumbou os seus processos, enquanto outros têm habitações onde anteriormente não existiam. E se a desculpa é a legalização, então como foram outras construídas exatamente com os mesmos problemas?”, questiona.

Por falta de “condições e medidas de apoio”, segundo o movimento, “continuam a sair pessoas do interior para o litoral e para o estrangeiro”, um êxodo que foi “acelerado após os incêndios” de 2017.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Comissão de Coordenação do Centro faz balanço positivo dos apoios
Próximo Ninhos de vespa asiática nas Quintas deixam moradores em alerta

Artigos relacionados

Últimas

UE/Presidência: Ministros da Agricultura reúnem-se para tentar fechar PAC

Os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) reúnem-se hoje e quinta-feira em Bruxelas, sob presidência portuguesa, para tentar fechar um acordo político sobre a nova […]

Dossiers

Três projetos portugueses na fase final do The Healthy Food Challenge

Um projeto para criar anúncios honestos quanto à alimentação infantil, outro que olha para os quintais como “laboratório vivos” e outro que recupera a relação das pessoas com […]

Últimas

Oferta de emprego – Técnico de Serviços de Pest Control – Engenheiro Zootécnico ou Agrónomo – Vila Nova de Gaia a Aveiro

A RENTOKIL INITIAL PORTUGAL é uma Empresa Multinacional fundada há 96 anos no Reino Unido, presente em Portugal desde 1982 e […]