Incêndios. Meios aéreos vão estar todos a operar na próxima semana

Incêndios. Meios aéreos vão estar todos a operar na próxima semana

A partir da próxima semana, todos os meios aéreos que deveriam estar a operar desde o início do mês vão estar disponíveis.

Na quarta-feira, o Tribunal Administrativo de Lisboa levantou a suspensão dos concursos para aluguer de helicópteros de combate a incêndios que tinham sido impugnados.

“Sim, é verdade, foi levantada a suspensão”, confirma à Renascença o tenente-coronel Manuel Costa, porta-voz da Força Aérea.

“Estimamos que até final da semana estejam disponíveis 14 meios destes 17 e depois os restantes no princípio da próxima semana”, acrescenta.

O denominado nível “reforçado – nível IV” começou no dia 1 de julho e termina a 30 de setembro. Até lá, vão estar operacionais 11.492 elementos, 2.653 equipas e 2.493 veículos dos vários agentes presentes no terreno.

Este que é considerado o nível mais crítico de incêndios mobiliza, este ano, mais 725 operacionais, 190 equipas e 30 viaturas do que o mesmo período de 2017.

No ano passado por esta altura estavam aptos a voar 55 meios aéreos.

De acordo com a Diretiva Operacional Nacional (DON), vão estar ainda em operação 60 meios aéreos, incluindo um helicóptero da Força Aérea, que será ativado em caso de necessidade para coordenação aérea.

Dezassete meios aéreos estavam retidos e não integravam o dispositivo, porque aguardavam uma decisão judicial dos efeitos suspensivos das providências cautelares.

Segundo o porta-voz da Força Aérea, também deverão estar disponíveis na próxima semana os três helicópteros ligeiros da frota do Estado, que estavam em preparação.

Em causa estava a impugnação do concurso de aluguer de helicópteros alugados às empresas HeliPortugal e Helibravo pela concorrente Babcock, tendo o Ministério da Defesa, através da Força Aérea, pedido o levantamento da suspensão “pelos graves prejuízos” na capacidade de resposta no combate aos fogos.

Na quarta-feira, o Tribunal Administrativo de Lisboa levantou a suspensão em nome “da defesa da vida”, segundo a rádio TSF que teve acesso à decisão.

Os meios de combate a incêndios foram reforçados desde segunda-feira, passando o dispositivo a estar na sua capacidade máxima.

Dados disponíveis na página da internet do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indicam que este ano, e até ao final de junho, deflagraram 4.888 incêndios rurais que atingiram 9.705 hectares de florestas, 41% dos quais em povoamentos florestais, 43% em matos e 17% em áreas agrícolas.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença .

Anterior Consumidor tem a certeza de que está a adquirir um produto feito apenas com Cereais do Alentejo
Próximo Tribunal dá luz verde a mais 15 helicópteros nos fogos por “defesa da vida”

Artigos relacionados

Comunicados

Campanha 2017 – Calendários indicativos de pagamentos

Já se encontram disponíveis, para consulta, os calendários indicativos de pagamentos do Continente e Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, […]

Últimas

Mais de mil fogos com origem em queimadas este ano e três mortos

A Guarda Nacional Republicana investigou este ano 1.067 incêndios florestais com origem em queimas e queimadas, que provocaram três vítimas mortais, […]

Últimas

Governo melhorou condições de acesso das Equipas de Sapadores Florestais aos apoios


O Governo melhorou as condições de acesso das Equipas de Sapadores Florestais aos apoios, dispensando-as excecionalmente da prestação de garantia bancária para aceder aos apoios financeiros nos anos de 2019, […]