Incêndios: Grupo de trabalho prepara projeto agroflorestal para Vila de Rei, Sertã e Mação

Incêndios: Grupo de trabalho prepara projeto agroflorestal para Vila de Rei, Sertã e Mação

“O grupo de trabalho envolve desde já o Ministério da Agricultura e o Ministério do Planeamento. Iremos procurar que também os Ministérios da Economia e do Ambiente possam associar-se e as três câmaras municipais, no sentido de prepararmos um projeto agroflorestal de médio e longo prazo, que possa ser candidatado aos diversos instrumentos financeiros que estão sob a gestão destes diferentes ministérios”, afirmou Capoulas Santos.

O governante falava à saída de uma reunião efetuada em Mação, com os presidentes de câmara dos três concelhos afetados pelo incêndio que começou no sábado em Vila de Rei e que apenas foi dominado na terça-feira.

Capoulas Santos explicou que este vai ser um projeto de médio e longo prazo, sem o qual disse ser impossível ter uma floresta e um mosaico agroflorestal diferente.

“Não teremos uma floresta e um mosaico agroflorestal diferente nas próximas 24 horas ou nas próximas duas semanas, mas temos a consciência de que se não o começarmos hoje nunca o teremos”, sustentou.

Realçou ainda a “boa cooperação” na procura de soluções entre todos os intervenientes para que no futuro se tenha um país mais seguro e uma floresta mais adequada às circunstâncias atuais e aos desafios das alterações climáticas.

O ministro da Agricultura explicou ainda que, no imediato, é preciso acudir aos problemas da alimentação animal, onde se incluem as abelhas.

“Está instalada uma base logística em Vila de Rei, onde estão a ser distribuídos alimentos para os animais e, na próxima segunda-feira, serão distribuídos cinco toneladas de açúcar para alimentação dos apiários que ficaram impedidos de aceder à flora na sequência do incêndio”, frisou.

Nos apoios aos agricultores, disse que foi acordado um mecanismo de cooperação que envolve os municípios, as organizações de produtores e o Ministério da Agricultura.

“Vai estar disponível a partir do dia 01 de agosto um gabinete de informação que vai informar os agricultores da forma como poderão apresentar os seus projetos e como poderão ser ajudados e quais os montantes disponíveis para isso”, sublinhou.

O governante explicou que são elegíveis máquinas, alfaias agrícolas, instalações, estábulos armazéns, culturas permanentes como a vinha ou o olival, tudo de acordo com uma tabela que existe e com candidaturas próprias.

“As despesas podem desde já ser efetuadas, uma vez que, apresentadas as faturas, elas serão elegíveis a partir da data da ocorrência”, afirmou.

Vai também ser fixado um período de candidaturas até ao dia 15 de setembro.

Capoulas Santos disse que se por um lado este é um período longo, porque gostaria de poder pagar tão depressa quanto possível, por outro lado este é o tempo mínimo necessário para que as pessoas possam apresentar as respetivas candidaturas.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24 .

Anterior IACA entrega rações a produtores afetados pelo fogo
Próximo Incêndios: Proteção Civil diz que golas servem só para retiradas rápidas das populações

Artigos relacionados

Nacional

Caos, dizem os espanhóis. El Mundo profetiza fim da carreira política de António Costa

[Fonte: Observador]
O diário espanhol escreve esta quarta-feira que “gestão desastrosa da tragédia” pode colocar um ponto final na carreira política do Primeiro Ministro. […]

Nacional

Comissão Europeia apresenta resultados do Plano de Ação para a Economia Circular

As 54 ações levadas a cabo no âmbito do plano de 2015 ou foram concluídas ou se encontram em fase de execução. […]

Nacional

Reforma da floresta não pode ser adiada por mais dez anos

[Fonte: Governo]

Ministros Adjunto e da Economia, Siza Vieira, e da Agricultura Floresta e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, […]