Incêndios: Aveiro terá uma “parelha” de aviões anfíbios

Incêndios: Aveiro terá uma “parelha” de aviões anfíbios

O distrito de Aveiro vai receber uma das duas “parelhas” de aviões anfíbios médios “Fire boss” que vão reforçar os meios aéreos nacionais do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2020, foi hoje anunciado.

Essa é a novidade “mais relevante” do dispositivo de combate a incêndios no distrito de Aveiro que foi apresentado esta tarde aos jornalistas pelo Comandante Operacional Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Aveiro, António Ribeiro.

“A rapidez de atuação e a capacidade de extinção é superior e, portanto, dá-nos sempre um conforto maior ter estes meios por perto”, disse António Ribeiro, adiantando que estes dois aparelhos vão ficar localizados no Aeródromo de Manobra N.º 1 da Força Aérea em Maceda, Ovar.

Os meios aéreos no distrito serão complementados com dois helicópteros ligeiros, um deles que estará posicionado em Vale de Cambra (em fase de contratação) e outro que estará a operar em Águeda, a partir de 1 de junho.

Quanto ao dispositivo terrestre, o comandante referiu que o número de operacionais envolvidos “é muito próximo” ao que houve no ano passado.

Em agosto, mês de maior risco de incêndios, o distrito de Aveiro vai contar com 382 bombeiros em prontidão, apoiados por 61 veículos, podendo este número ser reforçado com os voluntários dos corpos dos bombeiros do distrito.

“Temos nos corpos de bombeiros do distrito perto de 2.000 bombeiros com um leque grande de veículos e, portanto, quando há incêndios de maior dimensão nós contamos sempre com esse apoio extra dos voluntários”, disse o comandante.

A este número juntam-se 45 operacionais e oito veículos da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro (UEPS) da GNR, que estarão empenhados no ataque inicial aos incêndios, e uma companhia de 52 homens e 10 viaturas para o ataque ampliado.

O dispositivo terrestre conta ainda com 67 elementos do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e 14 elementos da AFOCELCA, um agrupamento complementar de empresas do setor florestal criado para combater incêndios nas suas propriedades.

O dispositivo de vigilância, fiscalização e deteção será composto por 57 militares com 29 veículos e motos, da GNR, e 31 agentes com três veículos, da PSP.

Haverá ainda 12 postos de vigia, da responsabilidade da GNR, em funcionamento no período de 29 de junho a 15 de outubro.

António Ribeiro admitiu ainda que este ano há uma preocupação acrescida com a problemática da covid-19 e com a necessidade de prevenir eventuais contágios entre os operacionais.

Questionado sobre as medidas que poderão ser aplicadas, António Ribeiro referiu que os bombeiros terão de cumprir as recomendações da Direção Geral de Saúde, dando como exemplo a obrigatoriedade do uso de máscaras “dentro das viaturas e nas zonas de alimentação e de descanso, onde há uma maior proximidade”.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Investigador da Universidade de Évora lidera descoberta de nova espécie animal
Próximo Assembleia da República aprova recomendação ao Governo para que seja revista a Convenção de Albufeira

Artigos relacionados

Últimas

Pedro Lynce e Florbela Queiroz condecorados pelo Presidente da República

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou nesta terça-feira várias personalidades no Palácio de Belém, em Lisboa, entre elas o antigo ministro Pedro Lynce e a actriz Florbela Queiroz. […]

Últimas

III Colóquio Hortofrutícola Faceco a 19 de Julho

A 19 de Julho, o Auditório do Crédito Agrícola de São Teotónio, no concelho de Odemira, recebe a terceira edição do Colóquio Hortofrutícola Faceco. […]

Últimas

eSpai Café abre wine bar em parceria com a Sogrape

O restaurante eSpai Café, localizado em Lisboa, conta agora com espaço totalmente dedicado à degustação de vinhos fruto de uma parceria com a Sogrape. […]