Incêndios: Aprovado arrendamento forçado de terras em “situações de inércia dos proprietários”

Incêndios: Aprovado arrendamento forçado de terras em “situações de inércia dos proprietários”

O Governo aprovou o regime jurídico do arrendamento forçado de prédios rústicos, no âmbito do Conselho de Ministros, na quinta-feira, determinando que o decreto-lei se aplica “nas situações de inércia dos proprietários” nas Áreas Integradas de Gestão da Paisagem.

“Estabelece-se que o regime de arrendamento forçado abrange as situações de prédios rústicos objeto de operação integrada de gestão da paisagem”, anunciou o executivo, em comunicado do Conselho de Ministros.

O decreto-lei cria o regime relativo “à figura do arrendamento forçado nas situações de inércia dos proprietários, para a reconversão dos territórios a intervencionar nas Áreas Integradas de Gestão da Paisagem”, indicou o Governo.

A Lusa solicitou ao Ministério do Ambiente e da Ação Climática informação sobre o diploma aprovado, nomeadamente os critérios em que se aplica o regime jurídico do arrendamento forçado de prédios rústicos, mas não obteve resposta até ao momento.

No Conselho de Ministros dedicado às florestas, realizado em 04 de março deste ano e que foi presidido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Matos Fernandes, disse que o regime jurídico do arrendamento forçado iria ser “agendado em breve” para aprovação, assegurando que “o Governo não desperdiçará” esse mecanismo para “situações muito concretas”.

“Não queremos forçar nenhum arrendamento. O arrendamento forçado, em primeiro lugar, tem uma contrapartida financeira, por isso se chama arrendamento, e é apenas para situações muito concretas de proprietários que não queiram ou não possam”, reforçou Matos Fernandes, adiantando que as salvaguardas estão garantidas, mas só as poderá revelar quando o Conselho de Ministros as aprovar.

Em 25 de junho de 2020, o Conselho de Ministros aprovou a proposta de lei que autoriza o Governo a aprovar o regime jurídico de arrendamento forçado, aguardando a autorização por parte da Assembleia da República.

Segundo o Governo, a ideia é “garantir a exequibilidade” das operações definidas para as Áreas Integradas de Gestão da Paisagem, zonas percorridas por incêndios com áreas superiores a 500 hectares, permitindo que o Estado se substitua ao papel dos proprietários.

Em 18 de setembro, a proposta foi aprovada pelo parlamento, com os votos contra de BE, PCP, CDS-PP, PEV, IL, CH e deputada Joacine Katar Moreira, a abstenção de PSD e deputada Cristina Rodrigues, e os votos a favor de PS e PAN.

Em 28 de outubro, o Presidente da República promulgou o diploma que autoriza o Governo a aprovar o arrendamento forçado, alertando que o decreto-lei deve ser “muito rigoroso na fundamentação do instrumento utilizado, de forma a justificar o sacrifício de direitos fundamentais e de não sancionar cidadãos que não tenham tido sequer a oportunidade de defender os seus direitos”.

Além do regime jurídico, o diploma concede ao Governo autorização legislativa para alterar a lei n.º 31/2014, que estabelece as bases gerais da política pública de solos, de ordenamento do território e de urbanismo, inclusive no artigo 36.º, sobre arrendamento forçado e disponibilização de prédios na bolsa de terras, para “abranger as situações de prédios rústicos objeto de operação integrada de gestão da paisagem”.

Outra alteração à lei da política pública de solos, em vigor desde junho de 2014, é relativa ao artigo 78.º, sobre o prazo em que o conteúdo dos planos especiais de ordenamento do território em vigor deve ser vertido no plano diretor intermunicipal ou municipal e em outros planos intermunicipais ou municipais aplicáveis à área abrangida pelos planos especiais.

O prazo tinha sido definido como “máximo de três anos”, pelo que teria de estar concluído em 2017, mas é agora prorrogado “até 13 de julho de 2021”.

Esta alteração visa permitir ao Governo estabelecer um regime jurídico de arrendamento forçado “nas situações em que os proprietários não manifestem a intenção de executar, voluntariamente, as intervenções apoiadas e previstas” em operações de gestão da paisagem, “a vigorar por um período de 25 anos, prorrogável, mediante fundamentação, por sucessivos períodos adicionais até ao limite máximo global de 50 anos”.

A autorização legislativa da Assembleia da República tinha a duração de 180 dias (seis meses).

Comente este artigo
Anterior Migrantes vivem em habitações precárias no Alentejo
Próximo Incêndios: Parlamento recomenda prorrogação para 31 de maio da limpeza de terrenos

Artigos relacionados

Últimas

Colheita de maçãs de polpa colorida Kissabel arranca na Europa

Os promotores da variedade de clube Kissabel, de maçãs de polpa colorida, anunciaram que a colheita no Hemisfério Norte começou em Setembro no Reino Unido, em França e na Suíça […]

Comunicados

Atenção: selo de produção sustentável dos Vinhos do Alentejo já está nos supermercados

Primeiros selos inéditos em Portugal podem ser encontrados em garrafas de vinho da Herdade dos Grous e da Herdade de Coelheiros […]

Últimas

FPAS reúne com Rui Martinho e apresenta queixas do setor

O Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Rui Martinho, reuniu-se com a direção da FPAS para tomar nota das atividades da Federação em prol do setor e […]