Incêndios. Agência para a Gestão Integrada de Fogos promove formação com peritos norte-americanos

Incêndios. Agência para a Gestão Integrada de Fogos promove formação com peritos norte-americanos

A Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais promove formação com peritos norte-americanos para reforçar capacidade das instituições e dos seus técnicos de decidir melhor na gestão dos incêndios.

A Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) realiza esta terça-feira uma formação para reforçar a capacidade das instituições e dos seus técnicos de decidir melhor na gestão de combustíveis e na avaliação do risco de incêndio.

A formação, que conta com cerca de uma centena e meia de participantes, está a ser ministrada online por dois investigadores dos serviços florestais norte-americanos, que partilham com a comunidade técnica portuguesa “ferramentas de apoio à decisão na prevenção e supressão de incêndios nos Estados Unidos da América”, refere a AGIF, numa nota enviada à agência Lusa.

Segundo a AGIF, liderada por Tiago Oliveira, a ideia de base desta formação “é reforçar a capacidade das instituições e dos seus técnicos para que possam decidir melhor quando investem em gestão de combustíveis” e “saber quando e onde prevenir é decisivo para aumentar a eficácia da despesa do combate e reduzir a exposição ao crescente perigo de incêndio”.

A AGIF refere que neste workshop gratuito os cerca de uma centena e meia de participantes “vão contactar com ferramentas que estimam a probabilidade de risco de incêndio rural quando se altera a ocupação do solo, o seu uso, a carga combustível, o padrão ou a frequência das ocorrências em diferentes cenários meteorológicos”, além de permitir medir em quanto é que o risco de incêndio se alterou quando um ou mais vizinhos limpam o terreno e como isso beneficia uma ou outra comunidade ou paisagem.

Citado na nota, Arlindo Santos, adjunto para o Conhecimento e Inovação da AGIF, refere que estas sessões de formação “permitem adotar novas ferramentas de avaliação do risco de incêndio, através de simulações dinâmicas de base probabilística, tendo em vista apoiar as decisões estratégicas de planeamento de gestão de combustíveis”.

Segundo o responsável, o principal objetivo é garantir a transferência de conhecimento entre os peritos internacionais e os portugueses, sendo um trabalho que permite também estruturar a informação de base que, no futuro, irá alimentar estes sistemas”.

Esta formação com estes dois especialistas norte-americanos insere-se no programa de qualificação interna da AGIF.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior SIMA - 21 a 25 de fevereiro - Paris
Próximo 2020 poderá ser o ano mais quente desde que há registos

Artigos relacionados

Últimas

Governo declara emergência energética. Abastecimento limitado a 15 litros nos postos da rede estratégica

Serviços mínimos a partir de 50%. Rede de postos de emergência inclui 374 estabelecimentos.
O Governo declarou nesta quarta-feira o estado de emergência energética e anunciou serviços mínimos e outras medidas a vigorar a partir das 00h de 12 de Agosto perante a anunciada greve dos motoristas de matérias perigosas,  […]

Últimas

Ponto.

À beira do Fluvial, debaixo das árvores densas, a gente anda no passeio e vai-se desviando das pratas. Estamos a escassos metros do rio, […]

Sugeridas

Metade dos planos distritais de combate apresentados fora de prazo

Nove planos foram apresentados fora do prazo (alguns deles em sessões fechadas ao público) e plano de Setúbal ainda nem foi apresentado. […]