Incêndio passou ao lado do acampamento do BE, mas tudo acabou bem

Incêndio passou ao lado do acampamento do BE, mas tudo acabou bem

Foi o incêndio que mais meios mobilizou este fim-de-semana, não tendo no entanto ameaçado populações ou feito vítimas. Mas a sua dimensão e dificuldade em ser dominado, só o seria na manhã deste domingo, assustou as populações da zona de Tomar, Abrantes e Constância… e os jovens do BE que estavam num acampamento na barragem de Castelo de Bode.

Os jovens do BE estão concentrados este fim-de-semana no parque de campismo de Martinchel, no concelho de Abrantes, paredes meias com a barragem que abastece Lisboa. O incêndio, que lavrou com muita intensidade no sábado, e que chegou a mobilizar mais de 500 combatentes e 11 meios aéreos, chegou a passar o rio e a assustar quem estava no acampamento. Mas tudo correu pelo melhor.

Tomás Marques, da organização do acampamento, conta ao PÚBLICO que deram o alarme à Protecção Civil, mas que rapidamente chegou “um helicóptero”. 

“O fogo começou do outro lado da barragem, na zona onde o rio é mais estreito. Estávamos a ver o fogo daqui, ligámos para o 117 e num minuto estava aqui um helicóptero”, conta. “O mais crítico foi quando esteve aqui perto, subiu a encosta e passou à entrada do parque” onde os jovens estão acampados. Como o vento não virou, acabou por não entrar dentro do acampamento.

Por esta altura, cerca das 17h30 da tarde, já estavam a ser aconselhados por membros da Protecção Civil, GNR e bombeiros. E assim que o perigo espreitou, foram tomadas medidas de prevenção como molhar a entrada do parque. Mas não chegou a ser preciso retirar as mais de 200 pessoas que lá estão concentradas para vários debates e workshops. “Juntámos toda a gente, fizemos a contagem e arrumámos tudo. Preparámo-nos para o caso de ser preciso sair”, mas tudo passou com a mudança de rumo do vento. “A Protecção Civil sugeriu que ficássemos no parque que era mais seguro”, conta Tomás Marques.

Apesar do aparato, houve quem não tivesse dado conta que o fogo passou na entrada do campismo, mas, para quem lá esteve, chegou o susto. Passado o medo, na tarde de sábado, os bloquistas retomaram os trabalhos e ainda conseguiram fazer o workshop que tinham marcado para as 18h. Este domingo será a vez de Catarina Martins participar no plenário “5 dias de luta toda, e agora?”.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Dominado fogo que lavra nos concelhos de Tomar, Abrantes e Constância
Próximo Seca: Bombeiros já abastecem 2 mil pessoas no Alentejo

Artigos relacionados

Nacional

“Cada fogo destrói anos de captura de carbono”

Projetos Expresso. “50 para 2050”, uma iniciativa do Expresso e da BP, voltou a acontecer esta terça-feira, como sempre às 11h no Facebook do Expresso. Foi já o sétimo de dez debates […]

Nacional

Incêndios na Madeira criaram condições que potenciam deslizamentos e aluviões

Dez anos após o temporal de 20 de fevereiro de 2010, muitas áreas da Madeira continuam vulneráveis face à eventual ocorrência de chuvas […]

Dossiers

Subida de temperatura no início do mês de julho

A partir de dia 3 de julho (sexta-feira), prevê-se uma subida significativa dos valores de temperatura, em especial da máxima. Esta situação de tempo […]