Imigrantes realojados na Pousada de Almograve ansiosos para voltar ao trabalho

Imigrantes realojados na Pousada de Almograve ansiosos para voltar ao trabalho

Dez dos 28 trabalhadores imigrantes que foram realojados na Pousada da Juventude de Almograve, no concelho de Odemira (Beja), aguardavam esta tarde no exterior para se reunirem com a Segurança Social e mostraram-se ansiosos para voltar ao trabalho.

A agência Lusa encontrou o grupo de imigrantes no exterior do complexo, para onde foram transferidos esta madrugada, num ambiente calmo na esperança que os técnicos da Segurança Social respondam a algumas das suas dúvidas.

Ao serem abordados, não recuaram, mas apontaram na direção de um dos jovens que se encontrava sentado à porta da residência temporária: “Ele fala”, disseram, por detrás das máscaras.

“Estava, em São Teotónio, numa boa casa e com transporte para ir trabalhar. Aqui não sabemos e queremos que a Segurança Social nos diga se há transporte porque é melhor para ir trabalhar. Se não houver vou arranjar uma nova casa para ir trabalhar”, explica Singh Gurwindier, há 13 anos em Portugal.

A maior parte dos trabalhadores que foram realojados na Pousada da Juventude, mesmo na entrada da pacata aldeia de Almograve, não fala português, por isso é Singh, de nacionalidade indiana, que conta “a aventura” que viveram durante a madrugada.

“Perto da meia-noite chegaram a São Teotónio e pediram para arrumar a casa, guardar o material para vestir e para comer e chegamos aqui quase às três horas da manhã”, conta com um ar cansado.

Durante toda a semana, “estivemos a trabalhar, mas agora com esta situação não nos dizem se temos transporte para continuar o nosso trabalho”, prossegue.

“Ontem e anteontem toda a gente teve de fazer teste e todos negativos”, sorri o jovem trabalhador migrante que espera regressar ao trabalho “já amanhã” porque “sem trabalhar não ganha nada”.

Sobre a cerca sanitária nas freguesias de São Teotónio e Longueira-Almograve e os relatos de tráfico de seres humanos, sobrelotação de pessoas e de violação dos direitos humanos, Singh Gurwindier espera que sirva para que “algo mude”.

“Quero continuar em Portugal, porque aqui é melhor”, conclui.

Na conferência de imprensa, que se realizou hoje, nos Paços do Concelho, em Odemira, o responsável da Proteção Civil disse aos jornalistas que “o transporte dos trabalhadores para os campos agrícolas está assegurado, bem como o acesso a todos os bens essenciais”.

“A operação foi feita num âmbito de um despacho governamental e foi desencadeada de forma a respeitar os direitos das pessoas envolvidas”, destacou José Ribeiro.

As freguesias de Longueira-Almograve e São Teotónio, no concelho de Odemira, estão em cerca sanitária desde a semana passada por causa da elevada incidência de covid-19.

António Costa sublinhou, há uma semana, quando o Conselho de Ministros decretou a cerca sanitária, que “alguma população vive em situações de insalubridade habitacional inadmissível, com hipersobrelotação das habitações”, relatando situações de “risco enorme para a saúde pública, além de uma violação gritante dos direitos humanos”.

Na altura, num despacho em Diário da República, com efeitos imediatos, o Governo decretou “a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional, da totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes que compõem o empreendimento ‘ZMar Eco Experience’, localizado na freguesia de Longueira-Almograve”.

O Governo decidiu enviar também imigrantes para a Pousada da Juventude de Almograve.

Hoje, cerca de 50 imigrantes que trabalham na agricultura na região foram realojados durante a noite no complexo turístico Zmar (21 pessoas) e na Pousada da Juventude de Almograve (30), disse à Lusa o responsável da Proteção Civil no Alentejo, José Ribeiro, que garantiu que todas as pessoas deste grupo estão negativas para o novo coronavírus, que provoca a covid-19.

Comente este artigo
Anterior Live: Xylella fastidiosa, um grave problema fitossanitário a combater
Próximo Odemira enquanto espelho da dualidade territorial, social e conceptual - João Gabriel Caia

Artigos relacionados

Últimas

Governo estuda passar tutela dos animais domésticos para ICNF ou outro organismo

O Governo está a estudar a passagem da tutela dos animais domésticos para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) ou para outro […]

Nacional

Quercus defende maior investimento na prevenção dos incêndios

A associação ambientalista Quercus defende um maior investimento das verbas destinadas aos fogos florestais na vigilância e na prevenção e não para o combate. […]

Sugeridas

EDIA implementa medidas de combate à seca climatérica

[Fonte: EDIA] Na sequência das medidas implementadas pela EDIA para auxílio aos agricultores no combate à seca climatérica, […]