Horizonte Europa

Horizonte Europa

O novo enquadramento de financiamento Europeu 2021-2027.

O novo Programa-Quadro de financiamento Europeu direccionado a actividades de Investigação e Inovação vai entrar em vigor em 2021 e decorrerá até 2027.

O financiamento a disponibilizar por parte da Comissão Europeia, de cerca de 100 mil milhões de euros – superior em 20 mil milhões face ao anterior Programa-Quadro Comunitário – tem como principal objectivo investir no futuro das entidades públicas e privadas (como start-ups, pequenas, médias e grandes empresas, universidades, centros de investigação e associações), com vista a aumentar a sua competitividade e potenciar a realização de actividades de Investigação e Inovação. Este aumento de financiamento disponível tem, ainda, como foco desafios societais (detalhados abaixo), tendo em vista o alinhamento com as prioridades políticas europeias e internacionais.

O Horizonte Europa é, até à data, o Programa-Quadro mais ambicioso em termos de disponibilização de instrumentos de financiamento para actividades de Investigação e Inovação, tendo, assim, por objectivo aumentar o nível de ambição, geração de conhecimento e de risco da actividade científica, criando, por esta via, um impacto exponencial nas entidades e cidadãos europeus.

Este Programa-Quadro Comunitário será organizado em três pilares que foram reestruturados em termos de âmbito de conhecimento e níveis de impacto face ao anterior Programa, conforme se segue:

  • Pilar 1 – Ciência Aberta – no qual estarão enquadrados os programas de trabalho relacionados com (i) a Excelência Científica dos Investigadores Europeus, em todas as áreas do conhecimento, prevendo-se um aumento da dotação orçamental do European Research Council e das bolsas Marie Skłodowska-Curie-MSCA e, ainda, com (ii) as Infraestruturas de Investigação.
  • Pilar 2 – Desafios Globais e Competitividade Industrial – terá como foco os problemas relacionados com os principais desafios societais (Saúde; Sociedades Inclusivas e Seguras; Digitalização e Indústria; Clima, Energia e Mobilidade e Alimentação e Recursos Naturais), com vista a reforçar as capacidades tecnológicas de toda a cadeia de valor das indústrias. Pretende-se, assim, direccionar e capacitar as instituições para serem capazes de atingir os objectivos ambiciosos de Investigação e Inovação traçados pela Comissão Europeia a par com as preocupações societais. Ainda neste pilar, serão enquadradas as actividades do Joint Research Centre que irão dar apoio aos decisores políticos nacionais e europeus, através de aconselhamento científico e técnico, com vista a garantir um impacto socio-económico positivo e, ainda, o estabelecimento de parcerias com a indústria e os Estados Membros.
  • Pilar 3 – Inovação Aberta – pretende impulsionar a Europa como líder de inovação e de geração de novos mercados e negócios através da criação do European Innovation Council (EIC). O EIC tem como objectivo fomentar um ecossistema de inovação Europeu, criando novas oportunidades às empresas e cidadãos inovadores, garantindo o apoio do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia.
    Em paralelo, mantém-se um Pilar horizontal e transversal a todos os restantes pilares, denominado Pilar Fortalecimento da Área de Investigação Europeia, o qual tem como objectivo, através de programas específicos, capacitar as entidades (em termos do acesso à informação acerca de oportunidades de financiamento) e reduzir o desequilíbrio regional em termos de Investigação e Inovação em países com menor investimento em I&D, como é o caso de Portugal.

Assim, neste próximo período de financiamento (2021-2027), o Horizonte Europa pretende aumentar as iniciativas de apoio aos Estados Membros para que estes sejam capazes de maximizar o seu potencial de Investigação e Inovação. Em Portugal, estas iniciativas serão promovidas pela rede PERIN, pretendendo duplicar a participação das entidades nacionais nos projectos financiados pelo Horizonte Europa.

Do exposto, prevê-se que o Horizonte Europa seja capaz de potenciar um efeito gerador de conhecimento para a indústria e para a academia, promovendo políticas cada vez mais eficientes, eficazes, criando sinergias entre diferentes programas de financiamento que irão permitir promover e disseminar, de um modo mais célere, os resultados de investimento realizados pela Comissão Europeia nas actividades de Investigação e Inovação em todos as áreas do conhecimento.

Nota: A autora escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior RA 2019 - Recrutamento de Entrevistadores
Próximo Oferta de emprego - Engenheiro Zootécnico - Viseu

Artigos relacionados

Últimas

Um Inventário Florestal em conserva

Foram disponibilizados há dias os dados preliminares do 6.º Inventário Florestal Nacional (IFN6), operação da responsabilidade do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). […]

Nacional

Reforço de 1,7 milhões de euros para projetos de sensibilização ambiental, conservação da natureza e biodiversidade

Vão ser publicados, em 15 de maio, os quatro avisos do Fundo Ambiental que reforçam, com 1,7 milhões de euros, o financiamento nas duas áreas […]

Últimas

Estação Zootécnica Nacional evolui para Centro de Excelência para a Agricultura e a Agro-indústria

A Estação Zootécnica Nacional, pólo de Santarém do INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, vai evoluir para Centro de Excelência para a Agricultura e a Agro-indústria (CEAAI). […]