Habilitação de estabelecimentos que queiram exportar porco para China fica a cargo da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária

Habilitação de estabelecimentos que queiram exportar porco para China fica a cargo da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária

“Foi esta semana transmitido à Direção-Geral de Alimentação e Veterinária que a autoridade competente chinesa GACC, a General Administration of Customs of China, autorizou a habilitação de novos estabelecimentos que pretendam exportar carne de suíno para a República Popular da China sem necessidade de uma missão de habilitação por parte daquela autoridade”, lê-se numa nota publicada na página da internet da DGAV.

Assim, passa a caber a esta direção a verificação do cumprimento dos requisitos que a General Administration of Customs of China exige.

Os interessados em exportar carne de porco para a China devem contactar os serviços veterinários regionais com intervenção na sua área geográfica.

A DGAV é um serviço central da administração direta do Estado, com autonomia administrativa.

No início de janeiro, o Ministério da Agricultura anunciou que mais cinco empresas portuguesas foram autorizadas a exportar carne de porco para a China, que se juntaram aos quatro operadores que já tinham recebido ‘luz verde’.

Citada em comunicado, a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, defendeu, na altura, que “a exportação dos produtos nacionais é uma das prioridades” do ministério, “não só pela importância da criação de condições que promovam o acesso aos mercados, mas também pela visibilidade que dá aos nossos produtos e à marca Portugal”.

No final de janeiro de 2019, os produtores portugueses começaram a exportar carne de porco para a China, um negócio que movimenta cerca de 100 milhões de euros, valor que se espera que duplique já este ano.

Inicialmente, o arranque das exportações estava previsto para dezembro do mesmo ano. No entanto, o tráfego de contentores provocado pela greve dos estivadores eventuais de Setúbal acabou por atrasar o processo.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Açores: Organizações de produtores podem candidatar-se a apoios financeiros até 12 de Março
Próximo Os agricultores têm de produzir bem, não lhes cabe o ónus da prova da eficiência ambiental - Joaquim Pedro Torres

Artigos relacionados

Últimas

Nas Filipinas, os estudantes não passam de ano sem plantar dez árvores

Quem estejam no último ano da universidade ou a terminar os estudos no ensino secundário, os estudantes filipinos não vão poder pôr um ponto final no seu percurso académico se não plantarem, […]

Nacional

PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido

O PSD está disponível para viabilizar o regime simplificado de cadastro predial proposto pelo Governo, mais conhecido pelas terras sem dono, […]

Últimas

Governo dos Açores e agricultores divergem sobre abate de mais cinco mil cabeças de gado

O secretário regional da Agricultura disse esta segunda-feira que não está disponível para aceitar a pretensão da lavoura açoriana de aumentar em mais cinco mil cabeças o abate do efetivo leiteiro previsto para 2019. […]