Há 25 concelhos de seis distritos em risco máximo de incêndio

Há 25 concelhos de seis distritos em risco máximo de incêndio

Mais de duas dezenas de concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Coimbra, Viseu e Bragança apresentam nesta quarta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os concelhos onde o risco de incêndio é mais elevado são: Vimioso, Tabuaço, Tarouca, Vila Nova de Paiva, Penedono, Sernancelhe, Mêda, Figueira de Castelo Rodrigo, Trancoso, Pinhel, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Guarda, Sabugal, Penamacor, Covilhã, Pampilhosa da Serra, Oleiros, Proença-a-Nova, Mação, Sardoal, Vila Velha de Ródão, Nisa, Marvão e Gavião.

O IPMA colocou também vários concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental em risco muito elevado e elevado de incêndio.

De acordo com o instituto, o risco de incêndio vai continuar máximo, muito elevado e elevado pelo menos até sábado em vários distritos de Portugal continental.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa do tempo quente previsto para esta quarta-feira no continente, o IPMA colocou sob aviso amarelo os distritos de Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja até às 21h.

Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (EFFIS, na sigla inglesa), que avalia o perigo de incêndio de forma harmonizada em toda a Europa, mostra que, em Portugal, há outras duas áreas em risco extremo: uma parte da Serra de Monchique e a zona de Alcoutim junto à fronteira com Espanha.

Em Espanha, quase todo o território está em risco extremo de incêndio segundo as estimativas do EFFIS. 

Protecção Civil avisa para risco de incêndio

Na terça-feira, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) emitiu um “aviso à população” para o agravamento do risco de incêndio rural até quinta-feira devido à subida da temperatura.

No “aviso à população”, a Protecção Civil refere que o IPMA prevê o “agravamento do risco de incêndio” face à subida gradual da temperatura máxima e à diminuição da humidade relativa.

Segundo a Protecção Civil, está prevista uma ligeira subida da temperatura com a humidade relativa do ar com valores próximos de 10% a 20% nas regiões do interior e no sul durante a tarde desta quarta-feira, sem recuperação nocturna em alguns locais do interior e sotavento algarvio e o vento a soprar moderado do quadrante oeste durante a tarde e por vezes forte nas terras altas no início da noite.

Na quinta-feira, há uma ligeira descida da temperatura, a humidade relativa do ar terá valores inferiores a 35% no interior e sotavento algarvio e o vento vai soprar temporariamente forte nas terras altas a partir da tarde, existindo ainda a possibilidade de ocorrência de períodos de chuva fraca nas regiões do Minho e Douro Litoral.

Por isso, a Protecção Civil recomenda a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio rural, nomeadamente através da adopção das necessárias medidas de prevenção e precaução, na utilização do fogo em espaços rurais, observando as restrições em vigor e tomando especial atenção à evolução do perigo de fogo para os próximos dias.

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Comente este artigo
Anterior "O País está pior". A política de gestão florestal é "desastre" que prejudica proprietários
Próximo Marcolino Sebo apresenta QP Antão Vaz Premium 2018

Artigos relacionados

Nacional

Acidentes com tratores fazem quatro mortos em cinco dias

Quatro pessoas morreram nos últimos dias em resultado de acidentes com tratores. O mais recente acidente aconteceu esta quarta-feira, em Seia. […]

Sugeridas

COVID-19: Validade de Cartões – Técnicos responsáveis, operadores de venda e aplicadores de Produtos fitofarmacêuticos

Atendendo ao disposto no ponto 6 do art.º. 9.º do Decreto-Lei n.º 10-A/2020, que entrou em vigor a 13 de março, data da sua publicação, não deverão ser […]

Últimas

Não vai haver rutura no abastecimento de alimentos por causa do coronavírus, garantem agricultores

Numa altura em que está a aumentar a procura de produtos dos supermercados face à propagação do coronavírus em Portugal, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) garante que não haverá […]