GS1 Portugal e FIPA explicam a importância e enquadramento da rotulagem de produtos alimentares

GS1 Portugal e FIPA explicam a importância e enquadramento da rotulagem de produtos alimentares

“Construção do rótulo: requisitos legais para venda tradicional e online” será o tema da formação a realizar pela GS1 Portugal – Codipor em parceria com a FIPA, no próximo dia 19 de novembro, nas instalações da GS1 Portugal, em Lisboa.

A GS1 Portugal – Codipor, entidade responsável pela introdução do código de barras em Portugal, em parceria com a FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, realiza, esta terça- feira, dia 19 de novembro, uma formação que incidirá sobre a construção e análise de rótulos de produtos alimentares.

Nesta formação, com duração de 7 horas, intitulada “Construção do rótulo: requisitos legais para venda tradicional e online”, serão analisadas as exigências específicas destes dois canais no que se refere a rotulagem, destacando a importância da qualidade de dados. Esta sessão formativa permitirá ainda aprofundar conhecimentos quanto às possibilidades e vantagens inerentes à rotulagem voluntária, com particular destaque para as alegações nutricionais e de saúde. A formação, que terá lugar nas instalações da GS1 Portugal, no Campus do Lumiar, em Lisboa, terminará com a realização de exercícios práticos de análise de rótulos e com um debate sobre os casos em estudo.

Com início às 9h30 e conclusão às 17h30, esta ação enquadra-se no Calendário Formativo da GS1 Portugal e destina-se a profissionais de empresas do setor agroalimentar, das áreas de qualidade, investigação e desenvolvimento, marketing, comercial, compras e produção. Mais informações e inscrições em https://app.gs1pt.org/training/subscription?trn_trainingid=4188

Programa da Formação “Construção do rótulo: requisitos legais para venda tradicional e online”:

  • GS1 Global e GS1 Portugal;
  • Contextualização e Enquadramento legal
  • Regulamento (EU) nº 1169/2011 e Decreto-Lei 26/2016
    • Menções obrigatórias
    • Regras de legibilidade
    • Declaração nutricional
    • Alérgenos
    • Rotulagem de origem
    • Venda à distância
    • Informações voluntárias
    • Responsabilidades
    • Aplicação na indústria alimentar e na restauração
  • Regulamento (EU) nº 1924/2006
    • Definição e tipos de alegações nutricionais e de saúde
    • Condições para a inclusão de alegações na rotulagem
    • Alegações autorizadas e não autorizadas
    • Flexibilidade na redação das alegações
  • Apresentação e discussão de casos práticos
Comente este artigo
Anterior Sustentabilidade e segurança marcam 3º aniversário Smart Farm
Próximo Ministra preocupada com efeito de taxas alfandegárias dos EUA sobre queijo açoriano

Artigos relacionados

Últimas

UE aprova novas substâncias como aditivo em alimentos para suínos

A Comissão Europeia aprovou novas substâncias como aditivo em alimentos para suínos. Concretamente, trata-se da utilização de uma preparação de Bacillus amyloliquefaciens NRRL B-50508, […]

Nacional

Leite: sem justiça não haverá paz nem futuro!

[Fonte: Jornal de Notícias]
“Preço justo para a produção de leite” é um grito que repetimos há 10 anos. […]

Comunicados

Felisbela Torres de Campos assume Presidência da ANIPLA

A ANIPLA, Associação Nacional da Indústria para a Proteção das Plantas, anuncia a mudança da presidência da direcção, função que passa a ser desempenhada por Felisbela Torres de Campos. […]