Grupo Veracruz abre escritório em Idanha-a-Nova

Grupo Veracruz abre escritório em Idanha-a-Nova

O grupo Veracruz, um dos maiores produtores de amêndoa da Europa, acaba de instalar um escritório em Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, onde tem instalados mil hectares de amendoal, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Câmara de Idanha-a-Nova explica que o grupo vai concentrar a gestão administrativa e financeira da empresa na vila, onde tem instalados mil hectares de amendoal no âmbito de um projeto que representa um investimento de 50 milhões de euros nos concelhos de Idanha-a-Nova e do Fundão.

“Uma equipa de cinco colaboradores irá trabalhar em permanência no escritório de Idanha-a-Nova, prevendo-se o recrutamento de mais colaboradores. A empresa já criou, aliás, 20 postos de trabalho diretos, incluindo os colaboradores que desempenham a sua atividade nas herdades onde estão instalados os amendoais”, lê-se na nota.

Já este ano, a Câmara de Idanha-a-Nova e a HVCZ Industries, empresa do Grupo Veracruz, assinaram um memorando de entendimento para a instalação de uma fábrica de descasque, armazenamento e transformação de amêndoas no concelho, investimento que ronda os 13 milhões de euros.

A primeira colheita dos pomares de amendoeiras em Idanha-a-Nova deverá acontecer já no próximo ano.

Comente este artigo
Anterior Macfrut 2021 de 7 a 9 de setembro
Próximo Câmara da Lousã apoia certificação de mel e compra de alimentos para abelhas

Artigos relacionados

Últimas

É necessária uma ação urgente no Mediterrâneo

Reconhecida pela sua riqueza cultural e natural, a bacia do Mediterrâneo tem comprovado a sua diversidade excecional ao longo dos tempos. […]

Nacional

FMC Agricultural Solutions reforça presença em Portugal

Teve lugar neste mês a apresentação oficial da Servagronis – Produtos para a Agricultura, Lda, como novo distribuidor da FMC Agricultural Solutions para Portugal. […]

Últimas

Empresas florestais reclamam inventários de cinco em cinco anos

A Associação Nacional de Empresas Florestais considera fundamental encurtar para cinco anos o prazo de atualização do Inventário Florestal Nacional, sem o qual diz não ser possível gerir ou planear estrategicamente o setor. […]