Grupo francês investe dez milhões em aldeamento sustentável em Idanha-a-Nova

Grupo francês investe dez milhões em aldeamento sustentável em Idanha-a-Nova

Um aldeamento sustentável composto por 44 moradias ecológicas vai nascer próximo da aldeia histórica de Monsanto, num investimento de dez milhões de euros, cuja candidatura já foi aprovada pelo Turismo de Portugal, foi anunciado esta terça-feira.

O complexo de 160 camas, situado numa herdade agrícola de 238 hectares, propõe um modo de vida sustentável, combinando o ativo de residentes e turistas com uma envolvente total de agricultura biológica participativa”, explica, em comunicado, a Câmara de Idanha-a-Nova. A sociedade gestora, a Monsanto Verde, já tem aprovada a candidatura ao Turismo de Portugal para a instalação deste aldeamento de quatro estrelas, composto por 44 moradias ecológicas e um edifício de apoio existente, a “Casa da Herdade”.

Projeto Monsanto Verde, em Idanha-a-NovaD.R.

Rui Gomes Pedro, gestor do projeto, explica que o Monsanto Verde representa um investimento de mais de dez milhões de euros que contempla residências, hotelaria, restauração e explorações agrícolas diversas, todas elas biologicamente certificadas desde a sua produção à transformação para produto de consumo final. “Oferecemos uma vida em plena natureza, seja para quem ali queira residir em permanência ou fazer turismo num território que é reserva natural e protegido pela UNESCO”, sustentou.

O responsável explica que a escolha de Monsanto para instalação deste projeto teve em consideração fatores estratégicos como a boa imagem de Portugal no mercado francófono, a centralidade ibérica da região, a meio caminho entre Lisboa e Madrid, boas acessibilidades e políticas locais alinhadas com a promoção dos valores ambientais.

O número de moradias previstas responde à capacidade adequada para o território, sendo que estas são de construção bioclimática, garantindo total conforto e são construídas com as mais recentes tecnologias, técnicas e metodologias ecológicas, usando materiais locais e respeitando os códigos de herança rural da região.

Para o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, o empreendimento Monsanto Verde foi, desde logo, acarinhado, por ir ao encontro à estratégia de sustentabilidade que o município para o território. “Esta [estratégia] assenta na criação de riqueza e emprego, através da aposta na economia verde, na economia circular e nos circuitos curtos de comercialização, valorizando os nossos recursos naturais e o nosso património”.

Para além do impacto na economia local, os promotores do projeto pretendem colaborar na formação de estudantes, nos setores da hotelaria e da restauração, em parceria com escolas de ensino profissional e superior.

O artigo foi publicado originalmente em ECO.

Comente este artigo
Anterior CNA critica demora em implementar Estatuto da Agricultura Familiar
Próximo Sector hortofrutícola reúne-se na Fruit Logistica

Artigos relacionados

Últimas

Ciclo de webinars Turnar 4.0 discute a inovação na agricultura e no desenvolvimento rural – 16 e 17 de setembro

No dia 16 de setembro, pelas 11h00, realiza-se o webinar sobre Inovação no Desenvolvimento Rural, com a participação de Isabel Ferreira, Secretária de Estado da Valorização do Interior, Luís […]

Nacional

“É agora mais difícil aos produtores entrarem numa OP”

José Oliveira, CACIAL
A CACIAL perdeu a condição de Organização de Produtores que sustentou durante muitos anos. O Facto ficou a dever-se ao aumento do seu volume de negócio de 2017 para 2018, […]

Últimas

Trabalhos de Limpeza das florestas do concelho de Boticas

No sentido de prevenir a ocorrência de
incêndios florestais no Concelho, a Câmara de Boticas, através do Gabinete
Técnico Florestal, […]