Grupo de trabalho entrega proposta de Plano Regional de Desenvolvimento da Fruticultura ao Governo dos Açores

O grupo de trabalho coordenado por David Horta Lopes, da Universidade dos Açores, entregou hoje, 5 de Novembro, ao secretário Regional da Agricultura e Florestas, João Ponte, a proposta de Plano Regional de Desenvolvimento da Fruticultura.

Trata-se de um documento orientador e estratégico que visa auxiliar o Executivo Regional a definir políticas públicas na próxima década tendo em vista o crescimento deste sector.

Profruta

“O designado ‘Profruta’ é um documento orientador da acção governativa nos próximos anos, que contém várias medidas concretas de ação com vista a estimular o crescimento sustentável do sector frutícola nos Açores”, afirmou João Ponte.

O governante destacou que este não é um plano fechado, uma vez que ainda decorrerá uma apresentação pública a que se seguirá a fase de consulta pública, onde os interessados poderão apresentar propostas para enriquecer este documento estratégico.

O grupo de trabalho que elaborou o ‘Profruta’ incluiu técnicos da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, especialistas no sector da fruticultura, a Universidade dos Açores e as organizações de produtores.

Produzir mais fruta de qualidade

João Ponte destacou o potencial que existe na Região para produzir mais fruta de qualidade, que pode e deve ser melhor aproveitado, embora existam diferenças de ilha para ilha.

“É fundamental o crescimento deste sector para aproveitarmos devidamente o potencial existente, reduzir as importações de fruta e, ao mesmo tempo, poder exportar algumas frutas, melhorando o nosso posicionamento no mercado externo”, salientou o secretário Regional.

Para João Ponte, este plano, a par de outros que já estão concluídos, é muito importante para o crescimento da agricultura, do sector da diversificação, para melhorar e complementar o rendimento dos agricultores, acrescentando que “nesta legislatura tem havido um crescimento muito assinalável ao nível da diversificação agrícola, havendo a expectativa que assim continue no futuro”.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Decisões sobre desafios da sustentabilidade devem ser suportadas com números, defende o Banco de Portugal
Próximo Conferência "O ciclo de vida do papel" - 13 de novembro - Lisboa

Artigos relacionados

Eventos

Congresso Ibérico do Milho 2020 – 24 de setembro

Produtores de milho espanhóis e portugueses discutem num encontro virtual o grande valor da biotecnologia na agricultura sustentável […]

Últimas

Altri quase duplicou lucros no primeiro trimestre, com subida de 19,1% no EBITDA

As receitas da produtora de pasta de celulose nos primeiros três meses deste ano registaram um aumento, na ordem dos 8,2%, de cerca de 165,7 milhões de euros para 179,2 milhões de euros. […]

Nacional

Tempestade de granizo que atingiu o Fundão destruiu 600 hectares de cerejeiras e pessegueiros

Produtores dizem que esta foi a pior altura para as culturas enfrentarem uma intempérie, uma vez que a época de floração já terminou. […]