Greve de fome em frente ao ministério da agricultura

Greve de fome em frente ao ministério da agricultura

Como temos referido nos últimos meses e foi noticiado pela SIC, RTP e Correio da Manhã, as estufas da nossa exploração de amoras em Idanha-a-Nova foram quase totalmente destruídas por sucessivas tempestades. Desde Abril que temos estado em contacto com a Secretaria de Estado da Agricultura e que nos foi assegurado que, apresentando nós relatórios meteorológicos que atestassem a particular violência da destruição nos seria permitido candidatar aos fundos europeus disponibilizados para a recuperação das estufas destruídas pelo mau tempo no Algarve e no Minho. Nesse sentido, e com esta garantia, preparámos o melhor que nos foi possível a campanha deste ano fundamental para a sobrevivência da exploração.

O processo arrastou-se 4 meses durante os quais apresentámos 4 relatórios meteorológicos enquanto íamos alertando que a demora incompreensível no processo (para todos os outros agricultores demorou apenas 10 dias), estava a colocar em causa a campanha deste ano e iria causar a perda de centenas de milhares de euros: sem estufas para proteger as amoras é quase impossível que a fruta não se estrague.

Até que há duas semanas soubemos através da resposta escrita da secretaria de estado à RTP que, a questão dos relatórios meteorológicos afinal nunca existiu e nós nunca fomos alegadamente elegíveis para os fundos europeus. Para o justificarem citaram o despacho que regulamenta os apoios europeus tendo o texto deste sido falsificado de forma a que fosse necessário que 30% do concelho tivesse sido devastado para nos podermos candidatar: o texto real do despacho nem sequer tem a palavra concelho! Diz sim que é necessário 30% da exploração ser destruída.

O absurdo do texto que a secretaria de estado da agricultura enviou à RTP é tal que nem conseguimos entender como é que puderam sequer pensar numa coisa assim: o Algarve, onde apoiaram em Março a reconstrução das estufas, foi 30% destruído? Ou o único agricultor com 1ha em Esposende que apoiaram representa 30% do concelho? O Estado Português agora é assim, quando a lei não nos dá razão, muda-se uma coisa aqui ou ali e espera-se que ninguém note?

Se houvesse alguma razão real para nos negarem o acesso aos fundos europeus para a reconstrução não teriam tido de recorrer a um texto falsificado.

Cremos que foram cometidos erros no nosso processo e a Secretaria de Estado simplesmente falhou os prazos para pedir à EU os fundos necessários, depois não quis assumir o erro e muito menos estar a pagá-lo. Pelo menos é uma explicação para aquilo que não tem justificação.

Porque doutra forma, porquê destruir a nossa exploração onde investimos meio milhão de euros, a campanha deste ano avaliada noutro meio milhão, atirar 8 pessoas para o desemprego numa região onde não há empregos? E pior ainda, incentivar-nos a preparar a campanha deste ano gastando nisso os últimos fundos que nos restavam quando afinal nunca tiveram intenção de apoiar a reconstrução? Como é que se justifica isto?

Em poucas semanas vamos começar a mandar toneladas de amoras para o lixo porque não pudemos proteger a colheita e isso não é responsabilidade do tornado, é responsabilidade da secretaria de estado da agricultura. É como estar a deitar dinheiro pela pia abaixo, dinheiro nosso, dinheiro dos nossos funcionário e dos contribuintes também já que são impostos que se perdem.

Estamos cansados e fartos, não merecemos ser tratados assim, na Idanha não somos menos que no Algarve ou no Minho para nos excluírem dos apoios ainda mais sob falsos pretextos. Assim, a partir deste momento estou do ministério da agricultura em greve de fome e aqui vou ficar até que decidam reparar integralmente os prejuízos que causaram.

Luís Dias

World of Berries

Comente este artigo
Anterior Produtores de cereais com “força acrescida” depois de Governo aprovar novas medidas
Próximo FIC 2018 – Feira Internacional de Cabo Verde marcada para Novembro

Artigos relacionados

Últimas

Anipla desafia portugueses a “Considerar os Factos”

Campanha nacional para a promoção do conhecimento da população portuguesa em torno da realidade agrícola, dos seus desafios atuais e futuros, e do fulcral papel da ciência e da tecnologia ao serviço da proteção dos recursos naturais.

Últimas

Syngenta reforça portfólio de soluções Pós-Colheita

A Syngenta está a realizar um investimento importante no reforço do seu portfólio com novas soluções fungicidas para controlo das doenças de conservação em fruta e legumes.
 Maria do Carmo Pereira, responsável de fungicidas da Syngenta para a Península Ibérica, […]