Governo promete estudar linha de crédito para prejuízos na cereja

Governo promete estudar linha de crédito para prejuízos na cereja

Uma das medidas que, eventualmente, podemos vir a estudar, é a da criação de uma linha de crédito bonificada para ajudar, de facto, a haver um reforço adicional de tesouraria e de fundo de maneio para passagem desta fase”, apontou Maria do Céu Albuquerque.

A ministra falava no fim de uma visita que realizou ao Fundão, concelho do distrito de Castelo Branco que é considerado uma das principais zonas de produção nacional de cereja e que este ano regista quebras na ordem dos 60 a 80%.

Segundo os dados mais recentes apontados pela Câmara do Fundão, os prejuízos diretos poderão chegar aos 10 milhões de euros.

Os produtores garantem que dificilmente haverá memória de um ano tão mau e falam de uma situação “profundamente dramática”, que a ministra da Agricultura verificou hoje no local.

A governante iniciou a visita num dos pomares das “Frutas Salvado”, onde as perdas são significativas e onde pôde ver nas árvores vários ramos de cerejas que não vingaram, bem como muita fruta “rachada”, que não tem aproveitamento comercial.

“Não somos muito de pedir, mas neste momento precisamos mesmo de apoio. Sem esse apoio, não é possível, só por nós, conseguirmos dar a volta”, referiu o presidente da Câmara do Fundão, num apelo dirigido diretamente a Maria do Céu Albuquerque.

O autarca também apresentou algumas propostas para ajudar a minimizar os problemas, nomeadamente a de que seja criada uma linha de crédito com cerca de 10 milhões de euros e com pelo menos um ano de carência e uma maturidade de cinco a seis anos.

Paulo Fernandes defendeu ainda necessidade de que “todos se sentem à mesa” para, “de uma vez por todas”, se analisar a questão dos seguros para a fileira da cereja, que mantém inscritos valores de “há quase 20 anos”, levando a que adesão dos produtores seja muito diminuta.

Sem apontar o valor que poderá estar em cima da mesa, Maria do Céu Albuquerque já tinha prometido estudar a possibilidade de criar uma linha de crédito bonificada para ajudar os produtores de cereja e também revelou que a comissão técnica que analisará os seguros de colheita reunirá “em breve”, mas não deixou de reiterar a importância de os produtores aderirem aos seguros.

Além disso, sublinhou que as medidas criadas no âmbito da covid-19 “vão influenciar positivamente” aquele território, uma vez que estão acessíveis a todos os produtores com perdas de rendimento.

Sobre a reivindicação para a criação do Regadio a Sul da Gardunha, Maria do Céu Albuquerque disse que espera que possa haver notícias “em breve” sobre a candidatura que foi apresentada numa parceria entre os municípios do Fundão e Castelo Branco.

Continue a ler este artigo no Notícias ao Minuto.

Comente este artigo
Anterior Live-stream: Webinar "Pensar o Pós-Covid"
Próximo Act4nature. Empresas portuguesas chegam-se à frente em defesa da biodiversidade

Artigos relacionados

Sugeridas

“De nada serve termos um modelo de prevenção e combate se a paisagem não mudar”

[Fonte: Público]
Nas suas mãos está a reestruturação do todo o sistema de prevenção e combate no país, […]

Nacional

Fim do Puzzle?

É coisa estranha. Depois de semanas de propaganda contínua, de permanente atenção mediática, de debates, comícios, arruadas e ações de campanha, […]

Dossiers

UE/Presidência: Diferenças sobre nova PAC são ultrapassáveis – ministra da Agricultura

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, mostrou-se hoje confiante num acordo sobre a nova Política Agrícola Comum (PAC) durante a presidência portuguesa do Conselho da UE, garantindo aos eurodeputados que “as diferenças […]