Governo garante aumento de apoios para os produtores florestais

Governo garante aumento de apoios para os produtores florestais

O ministro do Ambiente garantiu esta quinta-feira que os apoios aos produtores florestais vão aumentar e adiantou que o orçamento do fundo florestal permanente vai contar com mais cinco milhões de euros para apoiar as organizações florestais.

“Sejamos honestos, se 97% da floresta [portuguesa] é de alguém que não o Estado, é evidente que os apoios a esse alguém têm mesmo que aumentar a partir de agora. E posso garantir-vos que no próximo ano, no orçamento do fundo florestal permanente, isso vai ser muito evidente”, afirmou João Matos Fernandes.

O governante, que falava em Castelo Branco, durante a cerimónia de apresentação do 6.º Inventário Florestal Nacional, explicou que há ainda uma parcela, com expressão, do fundo florestal permanente que era dedicada a pagar medidas agroambientais que nada tinham a ver com a floresta.

Só esse valor são cinco milhões de euros que eu posso garantir-vos que no próximo ano estarão dedicados ao apoio às organizações florestais, com o objetivo de tudo fazerem para aumentar o valor da floresta”, sublinhou. O ministro deixou claro que Portugal precisa mesmo da floresta e garantiu que o país vai ser neutro em carbono no ano 2050.

“Isto é uma convicção, é um compromisso. Fomos o primeiro país do mundo a dizer que iremos ser neutros em carbono no ano de 2050. Boa parte dos países da Europa acompanha-nos nesta vontade. Mas, temos que ser rigorosos e dizer que a União Europeia ainda não conseguiu assumir este compromisso como um todo”, frisou.

Adiantou ainda que ser neutro em carbono não significa emissões zero, mas implica reduzir em muito as emissões, para terem um valor entre 85 e 90% das 60 megatoneladas de CO2 por ano que são o ponto de partida.

O grande sequestrador de carbono em Portugal é a floresta. E, por isso, a melhor forma de aumentar o sequestro de carbono e mesmo aumentando a área destinada à floresta de revoluções longas. É absolutamente fundamental que isso aconteça. E se 97% da floresta portuguesa é privada só o conseguiremos fazer em parceria com os proprietários florestais”, disse.

Matos Fernandes realçou o trabalho feito nos últimos anos, por parte do Estado, na preservação estrutural contra incêndios. “[O Estado] investiu na perspetiva da prevenção estrutural, no caso dos parques naturais o resultado é magnífico. A média dos últimos dez anos de área ardida nas áreas protegidas e parques naturais era na ordem de mais de 11 mil hectares por ano. No ano passado foi de 1.400 hectares e, este ano, mil hectares“, sustentou.

Explicou ainda que os parques naturais e áreas protegidas situavam-se, sensivelmente, entre os 7 e os 10% da área ardida, sendo que no último ano situaram-se nos 2,5%.

“Temos de facto agido bem naquilo que é a preservação estrutural contra incêndios e na capacidade de os poder combater. E, nos últimos dois anos, temos feito o melhor que conseguimos para gerir a pequena parcela de floresta pública que está connosco”, concluiu.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO .

Anterior CONFAGRI apresentou o projeto LIFE GAIA Sense em Évora
Próximo Federação Minha Terra promove Conferência LEADER/ DLBC 2019 - 25 e 26 de novembro - Amarante

Artigos relacionados

Últimas

Seminário “Agricultura com futuro”- 16 Novembro 2017 – Santa Maria da Feira

O Município de Santa Maria da Feira, através do Projeto Bizfeira, associa-se a ADRITEM – Associação de Desenvolvimento Regional Integrado das Terras de Santa Maria, […]

Nacional

Incêndios: “Se o interior ficou sem árvores, então que nas cidades deixem de usar carros”

[Fonte: O Jornal Económico]

Os incêndios são uma constante para as pessoas do distrito de Castelo Branco, […]

Nacional

Oportunidade de negócio: Empresa húngara procura produtores de azeite, sementes, frutos secos e leite

Uma empresa húngara, retalhista de produtos alimentares e processos industriais alimentares, está à procura produtores ou distribuidores de margarina, levedura, produtos de soja, […]