Governo dos Açores “convicto” que decisões para a agricultura se vão manter com nova Comissão

Governo dos Açores “convicto” que decisões para a agricultura se vão manter com nova Comissão

O secretário regional da Agricultura está “convicto” de que o novo executivo comunitário que venha a resultar das eleições europeias de domingo deverá manter as decisões tomadas em relação ao POSEI e à PAC.

“Estamos convictos que as decisões já tomadas em relação à manutenção do POSEI – Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas (RUP) e mesmo em relação à nova Política Agrícola Comum (PAC) têm todas as condições para se manter”, declarou João Ponte.

O titular da pasta da Agricultura do Governo dos Açores, que falava aos jornalistas, foi hoje ouvido na Comissão de Economia do parlamento açoriano sobre os rendimentos disponíveis para o setor, na sequência de uma iniciativa parlamentar do PSD/Açores.

O governante referiu que em relação às questões que continuam em aberto se vai “continuar a trabalhar na região junto das instâncias europeias e do Governo da República para acautelar os interesses dos Açores”, sendo os fundos comunitários uma “peça importante” para alavancar o setor.

João Ponte declarou que reuniu com a unidade de gestão do POSEI no âmbito das propostas de alteração ao subprograma e que pretende avançar com as medidas de revisão do programa específico das RUP até finais de julho, sendo a proposta aprovada pela Comissão Europeia em dezembro.

O deputado social-democrata António Almeida, porta-voz do partido para a Agricultura, também em declarações aos jornalistas, declarou que o Governo Regional deveria promover uma “mudança de estratégia na sequência da alteração do cenário da produção do leite” para fazer face à “degradação do rendimento dos produtores”, já em 2015, com o final do regime de quotas leiteiras.

“O anúncio de um plano estratégico para os laticínios dos Açores, a concluir até final do ano, deveria ter acontecido há três ou quatro anos, uma vez que o impacto do fim das quotas já era conhecido”, disse o parlamentar.

Para António Almeida, o setor dos laticínios enfrenta um “conjunto de desafios que devem merecer o contributo de todos no pressuposto de não ser tarde demais reorientar a indústria para novos mercados”, uma vez que 85 a 90% dos produtos lácteos açorianos são canalizados para o mercado continental.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior ¿Se puede denegar una ayuda al bienestar animal por tener dos especies en la explotación?
Próximo Prevenção da Fitóftora: do Viveiro ao Montado

Artigos relacionados

Notícias mercados

Preços de produtos agrícolas no produtor crescem em Abril: mais 20,1% nos hortícolas frescos e 11,9% nos suínos

O índice de preços de produtos agrícolas no produtor, em Abril de 2020, registou uma variação positiva nos hortícolas frescos (+20,1%), suínos […]

Últimas

Produtores de soja dos E.U.A visitam Portugal para reforçar relações comerciais


O U.S. Soybean Export Council (USSEC), grupo que representa os produtores de soja norte americanos, está de visita a Portugal para reforçar a ligação com os seus clientes portugueses.Os Estados Unidos da América produzem de forma consistente e inovadora soja nutritiva e de qualidade e contam com o apoio de clientes importantes em países como Portugal. […]

Comunicados

Empresas portuguesas na maior feira de flores e plantas do mundo

A Portugal Fresh – Associação para Promoção das Frutas, Legumes e Flores leva quatro empresas portuguesas produtoras de plantas e flores à IPM Essen, […]