Governo da Madeira gasta 3,4 ME para recuperar canais danificados por temporais

Governo da Madeira gasta 3,4 ME para recuperar canais danificados por temporais

O Governo da Madeira vai investir 3,4 milhões de euros na recuperação de 90 quilómetros de levadas, os canais que transportam a água para a rega, que ficaram obstruídos na sequência dos temporais do final do ano passado.

“No total, verificámos que existiam 90 quilómetros de levadas obstruídas pela precipitação intensa que desencadeou desmoronamentos e os canais ficaram de tal maneira obstruídos que a água não passa”, disse a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas da Madeira.

Susana Prada deslocou-se hoje, na companhia do presidente da Águas e Resíduos da Madeira, Amílcar Gonçalves, a S. Vicente, no norte da ilha da Madeira, para visitar as obras de recuperação da levada dos Cardais, que tem “cinco quilómetros de extensão e vai custar 160 mil euros”.

Mas, esta obra “insere-se numa empreitada bastante maior que foi lançada na sequência dos temporais de dezembro e janeiro de 2020”, realçou.

A governante mencionou que, devido a estes temporais, foram detetadas levadas obstruídas “em cinco municípios da região, nomeadamente, S. Vicente, Santana, Machico, Santa Cruz e Funchal”.

“A precipitação intensa desencadeou desmoronamentos e os canais ficaram de tal maneira obstruídos que a água não passa”, reforçou, sublinhando ser urgente resolver a situação porque “o período de rega começa agora em maio”.

Por isso, salientou, o Governo Regional lançou “uma empreitada grande, de 3,4 milhões de euros, para em primeiro lugar rapidamente desobstruir os canais e fazer com que a água chegue aos terrenos agrícolas”.

Este projeto inclui também a recuperação dos muros de suporte e dos açudes de captação de água, precisou.

“Para já, até ao fim do mês vamos desobstruir as levadas, a água vai chegar aos agricultores”, destacou, assegurando que o objetivo é “fazer que com que chegue água e vai chegar, até junho, aos agricultores destas zonas afetadas”.

A governante insular adiantou que “depois, nalguns casos em simultâneo”, serão feitas as obras de betão, perspetivando que “antes do fim do verão deverão estar recuperadas as captações e os muros de suporte.

Mas, é “a desobstrução das levadas que é urgente realizar para os lavradores poderem regar”, concluiu.

Comente este artigo
Anterior PCP/Alentejo critica "vil exploração" de imigrantes em Odemira e na região
Próximo Ministra diz que prioridade é parar a pandemia em Odemira e pede união de esforços

Artigos relacionados

Eventos

Semana de Campo “os desbastes na gestão do pinheiro-bravo” – 29 de setembro a 2 de outubro

O Centro PINUS e o Centro de Competências do Pinheiro-Bravo encontram-se a promover quatro visitas de campo sobre a realização de desbastes, a principal operação de gestão em pinhais-bravos […]

Internacional

Organizações ambientalistas contra plano da RDCongo voltar a atribuir concessões florestais

Várias organizações não-governamentais de defesa do ambiente, incluindo a Greenpeace, opuseram-se hoje ao anunciado levantamento da proibição de entrega de novas concessões para exploração […]

Nacional

Florestas vão receber “centenas de milhões de euros” do Fundo de Recuperação Económica

O Programa de Transformação da Paisagem, os Condomínios de Aldeia, os territórios vulneráveis, a força de bombeiros especial do ICNF e, “eventualmente, até, os meios aéreos” de combate aos […]