Governo avança com plano para a floresta e admite que é difícil acabar com monocultura do eucalipto

Governo avança com plano para a floresta e admite que é difícil acabar com monocultura do eucalipto

Com a presença de Marcelo, Conselho de Ministros vai aprovar medidas para proteger a floresta e evitar tragédias como as de 2017.

O ministro do Ambiente acredita que Portugal está muito melhor preparado do que em 2017 para combater os grandes incêndios, mas admite que “a transformação da monocultura [do eucalipto] num território como o nosso, em que 98% da propriedade é privada, é, de facto, mais custosa”. Discordando de parte das conclusões do recente relatório da comissão eventual de inquérito parlamentar sobre os fogos de 2017 que critica a monocultura desde aí instalada com espécies de crescimento rápido como o eucalipto, Matos Fernandes diz à TSF, no entanto, que não nega que ainda há muito a fazer na transformação do território do Pinhal Interior.

Há ainda “uma extensão grande de eucalipto e a monocultura nunca será boa para o território”, daí o Governo estar apostado em fazer um planeamento da paisagem com uma mistura de espécies e atividades florestais com agrícolas, à semelhança do que acontecia em Portugal no passado.

Várias das medidas anteriores serão, aliás, votadas esta quinta-feira num Conselho de Ministros especial sobre a floresta, a realizar em Monsanto (Lisboa), que será presidido por Marcelo Rebelo de Sousa, naquilo que, segundo o ministro, é um cruzamento de interesses entre o Presidente da República e o Governo.

Sublinhando o papel das novas Áreas Integradas de Gestão da Paisagem – até ao momento foram lançadas 14 -, Matos Fernandes admite que a mudança na floresta é lenta, sobretudo a transformação da ocupação do solo.

Mesmo assim, acredita que muito tem sido feito nestes últimos anos, nomeadamente na limpeza dos matos e de estradões para chegar aos fogos em caso de incêndio.

Por exemplo, foram abertos mais de 4.500 quilómetros de faixas de gestão de combustível e avançou-se muito na limpeza de terrenos, com destaque para os avanços nas limpezas dos terrenos privados.

Deste Conselho de Ministros deve sair um pacote de 30 milhões de euros para matas e perímetros florestais, bem como mais cinco parques naturais com projetos-piloto, sendo alargada a gestão partilhada com as autarquias a quase todos os parques naturais e áreas protegidas.

Continue a ler este artigo na TSF.

Comente este artigo
Anterior Um terço do país é floresta. Quanto vale? 4% do PIB
Próximo African swine fever: devising an ‘exit strategy’ for affected countries

Artigos relacionados

Dossiers

Cova da Beira 2020 abre período para a apresentação De Candidaturas a Atividades de Tranformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

O instrumento de apoio ao desenvolvimento local COVA DA BEIRA 2020, gerido pela RU.DE – Associação de Desenvolvimento Rural tem aberto, […]

Sugeridas

Conselho Interprofissional do Instituto dos Vinhos de Douro e do Porto, I.P. aprova Comunicado Vindima 2018

A Região Demarcada do Douro (RDD) estabeleceu o benefício de 116.000 pipas (550 litros cada) de mosto generoso para produção de Vinho do Porto. Este é o principal resultado do Comunicado de Vindima para 2018 aprovado hoje unanimemente […]

Dossiers

Reação da CAP à conferência de imprensa no Ministério da Agricultura – Transferência financeira entre pilares da PAC

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) tomou conhecimento esta tarde, na sequência de uma conferência de imprensa no ministério da […]