Governo avança com criação do Instituto da Vinha e do Vinho dos Açores

Governo avança com criação do Instituto da Vinha e do Vinho dos Açores

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou hoje que está concluído o processo para a criação do Instituto da Vinha e do Vinho dos Açores, de abrangência regional, que terá sede na ilha do Pico, para melhor responder aos desafios do setor vitivinícola.

Com esta estrutura pretende-se obter ganhos de eficiência e eficácia na resposta às necessidades existentes, bem como reforçar a aposta na qualidade, na autenticidade e na genuinidade do vinho dos Açores.

“Além da elaboração de um estudo sobre a necessidade da criação deste Instituto e sobre os seus efeitos relativamente ao setor onde vai exercer a sua atividade, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, com o apoio de um grupo de trabalho criado para o efeito, também já concluiu a proposta de Decreto Legislativo Regional que cria o Instituto da Vinha e do Vinhos nos Açores e o Decreto Regulamentar Regional que aprovará os respetivos estatutos”, afirmou João Ponte, acrescentando que os diplomas serão em breve remetidos ao Conselho do Governo.

O governante, que falava à margem da visita a um projeto privado de vitivinicultura na ilha do Faial, adiantou que o Instituto da Vinha e do Vinho dos Açores terá por missão a definição, coordenação e execução da política de valorização e preservação da vinha, do vinho e das bebidas espirituosas produzidas na Região Autónoma dos Açores, assim como da política de promoção e divulgação dos respetivos produtos vitivinícolas.

O Instituto da Vinha e do Vinho dos Açores vai integrar instituições ligadas ao setor, nomeadamente a CVR Açores e o Laboratório Regional de Enologia, bem como as competências das direções regionais da Agricultura e do Desenvolvimento Rural e dos Serviços de Desenvolvimento Agrário afetos ao setor da viticultura.

Para João Ponte, justifica-se, assim, a existência de um organismo que funda as competências pertencentes a algumas das estruturas que atualmente trabalham de forma independente, que racionalize e rentabilize os meios e os recursos afetos às mesmas, que permita uma maior integração e interligação de todas as respostas que o setor necessita e que promova os produtos vitivinícolas regionais de forma concertada, em suma, que potencie sinergias, com benefícios acrescidos para todos os agentes intervenientes no setor.

O Secretário Regional salientou que a vitivinicultura é um setor altamente concorrencial que, à medida que ganha escala e conquista prestígio, responsabiliza cada vez mais todos os agentes e entidades envolvidos na respetiva fileira, pelo que é necessário a Região dar este passo, que se enquadra no processo de modernização e de otimização do funcionamento da Administração Pública Regional.

“O setor vitivinícola regional depara-se com importantes desafios, fruto do forte impulso que conheceu nos últimos anos, quer por força da reabilitação de muitos hectares de vinha, surgimento de novos vinhos e produtos vitivinícolas que se têm vindo a afirmar no mercado devido à sua singularidade e qualidade”, afirmou João Ponte.

O Secretário Regional acrescentou que, “além disso, a pandemia trouxe-nos novos desafios, desde logo ao nível da comercialização e da sustentabilidade do setor”, referiu João Ponte, considerando que se impõe uma nova estrutura para todo este setor, moderna e capaz de dar uma resposta adequada a todos os agentes envolvidos, desde a produção, passando pela transformação e até à comercialização.

GaCS/RM

Comente este artigo
Anterior O solo conta ?
Próximo Incêndios. Governo diz ter investido 200 milhões em Pedrógão Grande

Artigos relacionados

Últimas

Festival Terras sem Sombra decorre em 13 concelhos alentejanos e vai até à República Checa

Vinda da República Checa, a orquestra barroca Musica Florea será um dos nomes do Terras Sem Sombra 2020

A 16.ª edição do Festival Terras sem Sombra, […]

Nacional

Presidente do INIAV: “Desafios que temos pela frente são muito grandes mas também constituem grandes oportunidades”

“Portugal será dos países da União Europeia mais atingido pelas alterações climáticas. Vamos ter de produzir alimentos num contexto em que vamos ter fenómenos mais extremos e […]

Comunicados

Novo programa de aceleração “Azores Accel” abre candidaturas para empresas e startups do setor Agroalimentar

Após o lançamento oficial do programa, em outubro do ano passado, o TERINOV – Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira, a DRCT – Direção Regional da Ciência e Tecnologia […]