Governo apoia investimentos para travar ‘Xylella fastidiosa’ com 2 ME

Governo apoia investimentos para travar ‘Xylella fastidiosa’ com 2 ME

O Ministério da Agricultura tem aberto até sábado um concurso, financiado pelo Programa de Desenvolvimento Rural, para apoiar, com um montante global de dois milhões de euros, investimentos em viveiros para prevenção da contaminação pela bactéria ‘Xylella fastidiosa’.

“Com um montante global disponível de dois milhões de euros, o concurso apoia a construção de estruturas de proteção em viveiros e plantas de espécies ornamentais, de fruteiras e de videiras suscetíveis à ‘Xylella fastidiosa’”, anunciou, em comunicado o ministério liderado por Capoulas Santos.

A bactéria em causa afeta um elevado número de espécies de plantas ornamentais e também espécies de culturas como a oliveira, a amendoeira, a videira ou a figueira.

De acordo com o Governo, o concurso financiado pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020 destina-se a “projetos com um valor mínimo de investimento total elegível superior a cinco mil euros”, sendo os apoios concedidos a fundo perdido, tendo como limite 80 mil euros por beneficiário.

As candidaturas devem ter como propósito o reforço da viabilidade dos viveiros agrícolas existentes e em atividade, “através da implementação de sistemas de proteção física completa”.

Por outro lado, os projetos devem ainda assegurar a “compatibilidade dos investimentos com as normas de prevenção, proteção e controlo fitossanitário”, bem como promover a utilização do tratamento por água quente no caso de plantas vitícolas.

“Após a confirmação, em janeiro, da presença da bactéria ‘Xylella fastidiosa’ em território nacional, todo o país passou a ser considerado de alto risco devido à presença de insetos vetores da doença, bem como à existência de um elevado número de espécies vegetais suscetíveis e de condições climáticas propícias ao desenvolvimento da bactéria”, sublinhou o Ministério da Agricultura.

As candidaturas a este apoio devem ser submetidas através das páginas na internet do PDR 2020 e do Portugal 2020.

Conforme indicou o Governo, a presença desta bactéria foi identificada na Europa, particularmente no sul de Itália, em 2013.

Desde 2015, têm sido identificadas diferentes subespécies da bactéria em França, Espanha e também em Itália.

Já em Portugal, a ‘Xylella Fastidiosa’ foi identificada em janeiro de 2019, em plantas de lavanda no jardim de um ‘zoo’ em Vila Nova de Gaia, no Porto.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Ações de cariz ambiental e educacional marcaram comemorações dos dias da Água e da Floresta em Seia
Próximo Cotações – Aves e Ovos – Informação Semanal – 11 a 17 Março 2019

Artigos relacionados

Últimas

Açores: Governo Regional aprova procedimento para reparação do porto de Santa Maria

O Governo dos Açores anunciou hoje ter aprovado o lançamento de um procedimento para reparação do manto de proteção do cais comercial de […]

Últimas

Passos admite mortes causadas por “problemas evidentes de comunicação” em Pedrógão Grande


O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou hoje que “problemas evidentes de comunicação” poderão explicar a morte de dezenas de pessoas durante o incêndio de Pedrógão Grande. […]

Nacional

ICAAM publica Livro de Resumos das Jornadas MED

[Fonte: Rede Rural Nacional] O ICAAM – Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, na sequência das Jornadas MED que se realizaram nos dias 7 e 28 de junho , […]