GNR apreende 2,7 toneladas de pinhas em Gouveia. Período de apanha só arranca a 1 de Dezembro

GNR apreende 2,7 toneladas de pinhas em Gouveia. Período de apanha só arranca a 1 de Dezembro

O Comando Territorial da Guarda, da GNR — Guarda Nacional Republicana, através do Núcleo de Protecção Ambiental de Gouveia, dia 20 de Novembro, apreendeu 2,7 toneladas de pinhas de pinheiro manso, Pinus Pinea, na localidade de Nespereira, no concelho de Gouveia.

Durante uma acção de fiscalização no âmbito da protecção florestal, explica um comunicado da GNR, os militares abordaram um veiculo que transportava pinhas de pinheiro manso, relativamente às quais, de acordo com o estabelecido na lei, é proibida a sua colheita fora do período de 1 de Dezembro de 2019 a 31 de Março de 2020.

Coima pode atingir os 3.500 euros

Desta acção, resultou a identificação de um homem com 39 anos, bem como, a elaboração de um auto de contra-ordenação, cuja infracção corresponde a uma coima que pode atingir os 3.500 euros.

Além da apreensão das pinhas, foram também apreendidos outros objectos utilizados na prática do ilícito contra-ordenacional, os quais foram entregues no ICNF — Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, em Seia.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar .

Anterior O medronho não dá só aguardente. Em Vila Nova de Tazem dá azeite
Próximo “Trabalhamos com diversos parceiros numa relação de amizade e de confiança muito para além dos negócios”

Artigos relacionados

Últimas

Ministro da Agricultura defende sanções aos municípios sem plano de prevenção para incêndios

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, defende a “aplicação de sanções” aos municípios que não possuam um Plano Municipal de Defesa da Floresta contra incêndios atualizado. […]

Últimas

Município do Cartaxo promove Semana da Alimentação

Começa na próxima segunda-feira, dia 14 de Outubro, a comemoração da Semana da Alimentação promovida pelo Município do Cartaxo, a propósito do Dia Mundial da Alimentação, […]

Últimas

E a BioEconomia?

A natureza está zangada. Não temos muitas dúvidas. Também não temos dúvidas dos erros que temos cometido. Temos todos. E por isso temos uma luta pela frente. […]