Fundo de investimento privado para a floresta já tem luz verde para avançar

Fundo de investimento privado para a floresta já tem luz verde para avançar

O Portuguese Forest Fund é uma iniciativa da Lynx Asset Managers, da Smart Forest e da Crowe. É um fundo de longo prazo e tem como objetivo atingir os 100 milhões de investimento na Floresta Portuguesa.

O Portuguese Forest Fund já foi aprovado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e tem como objetivo ambicioso atingir os 100 milhões de euros de investimento na Floresta Portuguesa.

Esta é uma iniciativa privada de criação de um fundo de investimento de longo prazo no setor florestal e resulta da conjugação de esforços entre a CMVM, como entidade de supervisão, a Lynx Asset Managers, sociedade gestora de fundos de investimento, a Smart Forest, empresa promotora vocacionada para a gestão florestal e a Crowe, especialista na área da consultoria financeira. 

Durante mais de dois anos foi desenvolvido um trabalhado conjunto entre as quatro entidades que culminou, a 18 de outubro, com a autorização para a constituição de um fundo de investimento alternativo especializado, focado na gestão profissional das áreas florestais e na rentabilização e aproveitamento dos recursos endógenos.

Com a meta de 100 milhões de euros de investimento a longo prazo, maioritariamente orientado para a instalação e gestão de 50 mil hectares de povoamentos de espécies de crescimento lento e autóctones, os gestores têm por missão, reunir capitais e valorizar um recurso estratégico para o País. O prazo de duração do Portuguese Forest Fund é de 20 anos, podendo ser prolongado até aos 40 anos.

À semelhança do que sucede no Norte da Europa e nos Estados Unidos, a criação de um fundo florestal em Portugal surge, no contexto atual, como resposta às necessidades emergentes de combate às alterações climáticas, de reordenamento e valorização do património florestal nacional, de recuperação e preservação de ecossistemas florestais, de promoção da biodiversidade, da redução do risco de incêndio, de dinamização do mundo rural e, ainda, a necessidade de recuperação do ciclo hidrológico. O elevado potencial de valorização da floresta nacional coloca-a, agora, no radar dos investidores e gestores profissionais de ativos financeiros.

Comente este artigo
Anterior Alterações climáticas, floresta e desenvolvimento rural - Rui Simões
Próximo João Ponte: Prémios dos queijos dos Açores no concurso nacional devem servir de estímulo ao aperfeiçoamento da produção

Artigos relacionados

Últimas

Jovens Agricultores: “Vacas, sim! Alarmes, não!”

O Reitor da Universidade de Coimbra decidiu acabar com a carne de vaca nas ementas das cantinas dos seus estudantes. Os agricultores e produtores agropecuários não poupam o Reitor. […]

Nacional

Castro Marim adopta medidas estratégicas para diminuição dos consumos de água

A Câmara Municipal de Castro Marim adotou medidas para a diminuição dos consumos de água no concelho, considerando a situação de seca extrema, […]

Últimas

Indústria de curtumes lamenta impacto da eliminação da carne de vaca na Universidade de Coimbra

Para Gonçalo Santos, a decisão do reitor da Universidade de Coimbra não teve em conta o impacto nas atividades económicas do país e que são potenciais empregadoras dos alunos das universidades, […]