Fruta Feia celebra 5.º aniversário e evita mais de 1.300 toneladas de desperdício

Fruta Feia celebra 5.º aniversário e evita mais de 1.300 toneladas de desperdício

São já 187 os produtores/agricultores de todo o género de fruta e legumes que fornecem a Fruta Feia, um projeto que nasceu da necessidade de inverter as tendências de normalização de frutas e legumes, relativamente a formato, cor e calibre, ou seja, exigências estéticas que fazem com que muita fruta seja recusada, logo não vendida, levando a um desperdício de cerca de 30% do que é produzido pelos agricultores.

Daí que o principal objetivo da Fruta Feia seja “reduzir as toneladas de alimentos de qualidade que são devolvidos à terra todos os anos pelos agricultores e com isso evitar também o gasto desnecessário dos recursos usados na sua produção, como a água, as terras cultiváveis, a energia e o tempo de trabalho”, define o projeto no seu site.

Recorde-se que mais de um terço dos frutos e legumes produzidos na Europa não chegam a ser comercializados por razões estéticas, de acordo com um estudo da Universidade de Edimburgo, publicado recentemente no Journal of Cleaner Production. Mais acrescenta o estudo que cerca de 50 milhões de toneladas de frutos e vegetais produzidos na Europa não chegam às prateleiras dos supermercados, porque não correspondem às exigências.

Com o lema “Gente bonita come fruta feia”, este projeto surgiu em 2013, portanto acaba de assinalar o seu 5.º aniversário, assente num modelo de Cooperativa de Consumo sem fins lucrativos, uma vez que todo o lucro alcançado é “direcionado ao crescimento do projeto e cada membro é parte integrante deste.”

Atualmente com 11 delegações, a Fruta Feia abastece 5.166 consumidores particulares ou associações, cafés, restaurantes, tendo evitado, até ao momento, o desperdício de 1.327 toneladas. Mas a Fruta Feia quer expandir-se e ir além da sua área atual que compreende as áreas de Lisboa, Almada, Amadora, Cascais, Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos. Para tal, tem estabelecido parcerias com quem acredita no projeto que é mesmo que dizer “quem feio ama, bonito lhe parece”.

O artigo foi publicado originalmente em Anipla - fitotema.

Comente este artigo
Anterior Previsiones negativas para el turismo rural en el puente de diciembre: descienden las reservas un 38.06%
Próximo Inquérito sobre populações de veado e javali

Artigos relacionados

Últimas

Empresas recrutam cada vez mais lá fora

Chegam de Inglaterra, Alemanha, Itália, Irão, Colômbia, Lituânia, Ucrânia, França, Escócia, Índia, Turquia, Brasil, Espanha, Grécia, Dinamarca. São os novos imigrantes que vêm para Portugal pela experiência e pelo desafio profissional e pessoal. […]

Internacional

Bioanálise indica a memória do solo

“As informações de análise química e física do solo não são suficientes para analisar a qualidade do solo. Para integrar esse processo […]

Dossiers

Jovens agricultores: 1 000 milhões de EUR para facilitar o acesso ao financiamento

O pacote de 1 000 milhões de EUR, anunciado hoje pelo comissário responsável pela Agricultura, Phil Hogan, e pelo vice-presidente do BEI, […]