“Foi graças à água do Regadio da Cova da Beira que consegui aumentar a produção”

“Foi graças à água do Regadio da Cova da Beira que consegui aumentar a produção”

Daniel Almeida, produtor de cherovia

“A sementeira da cherovia faz-se na primavera, logo no local definitivo e a produção dura até fevereiro- março do ano seguinte, altura em que volta a ter rama, flor (…). O período de arranque, e por arrasto de comercialização, inicia-se em julho e prolonga-se até fevereiro do ano seguinte. Sem necessidade de operações culturais de grande monta, uma das principais exigências da cultura é muita água no verão.

No resto do tempo as cherovias vão sendo arrancadas conforme seguem para o mercado e aqui há outro momento importante e exigente, que é a limpeza (processamento mínimo) porque a cherovia desenvolve muitas raízes e não pode ser apresentada ao mercado desta forma”.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior “O que a FNAP gostaria é que a apicultura passasse a ser uma moda nos gabinetes da Comissão Europeia e do Ministério da Agricultura”
Próximo Portugal Exportador 2019. Novo Banco promove maior evento das exportações do País

Artigos relacionados

Últimas

Catarina Martins pede compromisso para “nem mais um metro de estufa” em Odemira

O BE vai apresentar no parlamento uma proposta para “nem mais um metro de estufa” em Odemira e a gestão pública da água do perímetro de regra do Mira, tendo […]

Últimas

Projecto europeu DIVA tem 1,38M€ para apoiar PME nas áreas do agroalimentar, floresta e ambiente

O projeto europeu DIVA, coordenado em Portugal pelo INESC TEC e a Inovisa, vai lançar a segunda edição de um programa de apoio a empresas portuguesas, […]

Últimas

IVV promove seminário sobre o mercado nacional do vinho

Tem lugar a 20 de Setembro, nas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), em Lisboa, uma conferência dedicada ao tema “O mercado nacional do vinho: dados e perspectivas”. […]