Fogos e área ardida caíram para metade após a década 2008-2017

Fogos e área ardida caíram para metade após a década 2008-2017

No dia em que o Conselho de Ministros é dedicado à floresta e tem o Presidente da República como convidado, o Governo exibe os números, relativos aos fogos dos últimos três anos, após a tragédia de 2017.

Em Outubro passado, no balanço da época de fogos de 2020, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, já tinha sublinhado que o número de fogos e a área ardida tinham caído pelo terceiro ano consecutivo – e para metade, no caso da última. Mas nesta quinta-feira, dia de um Conselho de Ministros extraordinário, que terá o Presidente da República como convidado e a floresta como tema, o Governo quis voltar a recordar estes números.

Uma nota enviada pela Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) à comunicação social sublinha que, nos últimos três anos, foram reduzidos para metade o número de incêndios e a área ardida, com 9690 incêndios em 2020, dos quais resultaram 67 mil hectares de área ardida. Comparando com os dez anos anteriores (2008-2017), em que pesou sobretudo o ano de 2017, quando só os fogos de 17 de Junho e 15 de Outubro provocaram 109 mortos e 320 feridos, esta evolução registada em 2018, 2019 e 2020 representa uma redução de 56% no número de incêndios e de 64% na área ardida.

“Após 2017, registou-se também uma tendência significativa de diminuição da perda de vidas relacionada com os incêndios rurais”, diz a AGIF.

O gesto de cortesia institucional do Governo para com Marcelo Rebelo de Sousa, para assinalar o final do primeiro mandato deste – e à semelhança do que aconteceu com o Conselho de Ministros sobre o Mar, que organizou para se despedir de Cavaco Silva em 2016 – permite ao executivo enterrar definitivamente as florestas como dossier problemático nas relações com Belém.

Marcelo Rebelo de Sousa fez publicamente pressão no sentido da demissão da ministra da Administração Interna de 2017, Constança Urbano de Sousa, pelas consequências trágicas dos incêndios

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Webinar Cultivar: Ano Internacional das Frutas e Legumes - 11 de março
Próximo Conselho de Ministros é hoje dedicado às florestas e presidido pelo Presidente da República

Artigos relacionados

Últimas

Oferta de emprego – Técnico comercial – Enólogo ou Agrónomo – Sul

Bárbara Sistelo & Filhos Lda, empresa dedicada à importação e comercialização de produtos enológicos, equipamentos, barricas, depósitos de madeira e depósitos de cimento, automatismos e […]

Últimas

Bruxelas quer excluir da ajuda agrícola quem explora trabalhadores sazonais

Em plena negociação da Política Agrícola Comum, que vigorará de 2023 a 2027, o comissário europeu Janusz Wojciechowski mostrou-se a favor de excluir a ajuda às explorações […]

Últimas

Uruguai disponível para apoiar transformação da agricultura angolana

O Uruguai mostrou-se disponível para apoiar Angola na transformação da sua agricultura. As declarações foram proferidas pelo ministro das Relações Externas do país, […]