Fogo na Pampilhosa da Serra mobiliza 12 meios aéreos e mais de 250 bombeiros

Fogo na Pampilhosa da Serra mobiliza 12 meios aéreos e mais de 250 bombeiros

O incêndio deflagrou pouco depois das 13:00. Fonte do CDOS de Coimbra, em declarações à agência Lusa, às 14:35, disse não haver habitações em perigo e explicou que estão a ser mobilizados mais meios.

Um incêndio florestal em Janeiro de Baixo, Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, está a obrigar, às 14:30 de sábado, à intervenção de mais de 250 bombeiros, 12 meios aéreos e 66 veículos.

De acordo com a página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, o incêndio deflagrou pouco depois das 13:00.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, em declarações à agência Lusa, às 14:35, disse não haver habitações em perigo e explicou que estão a ser mobilizados mais meios para o local.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) emitiu na sexta-feira um aviso à população para o perigo de incêndio rural nos próximos dias, devido às elevadas temperaturas previstas e à baixa humidade.

Em comunicado divulgado na sexta-feira à tarde, a ANEPC refere que, “de acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se um agravamento das condições meteorológicas favoráveis ao incremento do risco de incêndio, devido ao tempo quente e seco”.

A ANEPC destaca que a humidade relativa do ar será inferior a 30% no interior e no Algarve durante a tarde e em geral com fraca recuperação noturna.

Quanto à temperatura máxima, estão previstos valores acima de 30°C na generalidade do território, “podendo rondar os 40°C no interior no domingo e segunda-feira, com possibilidade de ocorrerem noites tropicais no interior e no Algarve a partir de domingo”.

Face a estas previsões, é proibido fazer queimadas extensivas sem autorização, fazer queima de amontoados, utilizar fogareiros ou grelhadores em todo o espaço rural, salvo se usados fora de zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito, fumar ou fazer lume nos espaços florestais, lançar balões de mecha acesa e foguetes, usar motorroçadoras (exceto se possuírem fio de nylon), corta-matos e destroçadores nos dias de risco máximo e obrigatório usar dispositivos de retenção de faíscas e de tapa-chamas nos tubos de escape e chaminés das máquinas de combustão interna e externa nos veículos de transporte pesados e um ou dois extintores de 6 Kg, consoante o peso máximo seja inferior ou superior a 10 toneladas.

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Produtores de vinho reclamam mais apoios para evitar falências
Próximo "As vacas não deixaram de existir e a poluição baixou"

Artigos relacionados

Sugeridas

Fundão cria laboratório de testagem e demonstração de tecnologia aplicada à agricultura

O Fundão vai criar um laboratório “agrotech” que se deve afirmar como uma plataforma de testagem e demonstração de tecnologia aplicada à agricultura em contexto real e em articulação […]

Comunicados

Ministra da Agricultura participa no último Conselho de Ministros da Agricultura presidido pela Croácia

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes Albuquerque, participou hoje, por videoconferência, no último Conselho de Ministros da Agricultura […]

Últimas

FAO realiza webinar sobre a governação do solo e lançamento do SoiLEX – 13 de janeiro

A Parceria Global do Solo da FAO promove um Webinar sobre governação do solo que terá lugar na quarta-feira 13 de Janeiro de 2021, das 15:00 às 16:30 (CET), através da plataforma Zoom. O Webinar coincidirá com o lançamento do […]