Flowr anuncia o envio de clones de canábis para a Holigen em Portugal

Flowr anuncia o envio de clones de canábis para a Holigen em Portugal

A The Flowr Corporation (TSXV: FLWR; OTC: FLWPF) (“Flowr” ou a “Sociedade”) anuncia que a Holigen Holdings Limited (“Holigen”), cuja empresa a Flowr está no processo de adquirir a restante participação de 80,2 %, recebeu, por intermédio da subsidiária RPK Biopharma, Unipessoal Lda., autorização do INFARMED para plantar canábis no projeto de Aljustrel, em Portugal. Além disso, a Flowr também recebeu uma licença de exportação da instituição Health Canada, que lhe permite enviar uma remessa inicial de clones de canábis para Portugal a partir do seu campo Kelowna.

“A autorização do INFARMED para plantar canábis em Aljustrel é um marco importante no desenvolvimento deste projeto, que é um pilar nos nossos esforços para servir o mercado mundial de canábis medicinal. Aljustrel é uma das maiores licenças de cultivo exterior de THC no mundo desenvolvido e será instrumental no fornecimento em larga escala e a baixo custo de extrato de canábis para ingredientes farmacêuticos ativos (API) e óleos no mercado europeu” comentou Vinay Tolia, CEO da Flowr. “Os meus parabéns à equipa da Holigen por conduzir este projeto até esta fase de uma maneira tão eficiente. É uma prova da sua competência em processos de licenciamento, que nos deixa muito entusiasmados para contribuir com os nossos conhecimentos de cultivo nesta oportunidade impressionante”.

Aljustrel é um uma das duas instalações em desenvolvimento pela Holigen para produção, extração e fabrico de canábis em Portugal. Tendo sido designado como um Projeto de Interesse Nacional (PIN) pelo governo português, esta designação permite mover rapidamente o projeto entre processos regulamentares de licenciamento, bem como potencia o acesso ao financiamento. O plano consiste em construir e operar um local de cultivo de canábis na propriedade com mais de 650.000 m2 e com uma capacidade potencial anual combinada de flores secas de canábis de aproximadamente 500.000 quilogramas. Além das operações de cultivo, prevê-se que Aljustrel inclua instalações de processamento e fabrico construídas segundo as especificações de Boas Práticas de Fabrico (GMP), que deverão apoiar planos de distribuição de produtos medicinais e API em mercados na Europa, Austrália e Ásia. A Holigen encontra-se na fase final de receber todas as licenças necessárias para operar em Aljustrel.

Comente este artigo
Anterior 180 kms de caminhos florestais já sofreram intervenção na Madeira
Próximo Projeto de plantação de canábis no Alentejo recebe autorização do Infarmed

Artigos relacionados

Nacional

Casa do Douro: regresso a 1932 – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento AgroVida

[Fonte: AgroVida]

Lê-se a letra do projeto de lei conjunto do PS+PCP+BE que quer restaurar a Casa do Douro (CD) como associação pública de inscrição obrigatória para todos os viticultores da Região Demarcada do Douro (RDD) e não se quer acreditar. O calendário diz que estamos em 2019, […]

Últimas

Horticultores do litoral alentejano contestam restrições a mais estufas

[Fonte: Público] Moção aprovada pelos autarcas de Odemira critica os “constrangimentos gerados” pelas culturas em estufa e a “perturbação” social causada pelo fenómeno migratório.

A clivagem entre as posições tomadas pela Assembleia Municipal de Odemira (AMO), que está contra novos investimentos agrícolas dentro do Perímetro de Rega do Mira (PRM), […]

Comunicados

“As boas práticas compensam”, dizem produtores florestais

[Fonte: Melhor Eucalipto]
Conferência de balanço do Projecto Melhor Eucalipto aconteceu a 5 de Setembrona Agroglobal, em Valada do Ribatejo, e juntou indústria papeleira e actores florestais. 

17/Setembro/2018: Armindo Melo não tem dúvidas: as boas práticas de gestão florestal recomendadas pela indústria papeleira através do Projecto Melhor Eucalipto compensam, […]