Fitossanidade: regras rigorosas para uma melhor proteção contra pragas

Fitossanidade: regras rigorosas para uma melhor proteção contra pragas

Os vegetais e produtos vegetais são a base para a alimentação humana e animal. São também parte da paisagem em que vivemos. Percebe-se, por isso, que às pragas vegetais seja associado um enorme potencial devastador dos ecossistemas terrestres. Há assim que reconhecer a importância da proteção fitossanitária no combate à fome, na redução da pobreza, na proteção do ambiente e no desenvolvimento económico, ou seja, há que reconhecer o seu contributo para a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e alcance dos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Para chamar a atenção para estas matérias, as Nações Unidas declararam 2020 como o Ano Internacional da Fitossanidade.

Na era da globalização e num contexto de alterações climáticas, a rapidez com que pessoas e bens – incluindo plantas – se movimentam entre países e continentes e a probabilidade de emergência de novas e mais agressivas pragas em regiões improváveis, justifica que se elevem os níveis de alerta, aumentem as ações de prevenção e reforcem as medidas de precaução e segurança, isto é, que sejam estabelecidas regras mais firmes no que à proteção fitossanitária respeita. É com este enquadramento que o Regulamento (UE) 2016/2031 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de outubro, relativo a medidas de proteção contra as pragas dos vegetais, intensifica o foco sobre a propagação de determinadas pragas, passando a ser exigidos passaportes fitossanitários para mais vegetais, produtos vegetais e outros objetos quer aquando da sua importação para a União Europeia (EU) quer no seu movimento na UE. Este Regulamento entrou em vigor a 14 de dezembro 2019.

A adoção de regras comuns a nível comunitário relativamente a vegetais e produtos vegetais visa assegurar o mesmo nível de proteção fitossanitária dentro da UE e proporcionar igualdade de condições para os respetivos produtores e comerciantes da UE. Saliente-se que o cumprimento das novas regras, pela sua abrangência (respeitam a produção, inspeção, amostragem, análise, importação, circulação e certificação de material vegetal assim como a notificação, deteção e erradicação de pragas que o material vegetal possa albergar), contribuirá para a deteção precoce de pragas vegetais e para tornar a monitorização mais eficiente.

Note-se que no âmbito do Regulamento (UE) 2016/2031 as pragas regulamentadas estão agrupadas em 3 categorias: pragas de quarentena; pragas de quarentena de zonas protegidas; e pragas regulamentadas não sujeita a quarentena. Note-se ainda que o Regulamento Delegado (UE) 2019/1702 da Comissão, de 1 de agosto (que complementa o Regulamento (UE) 2016/2031) estabelece uma lista com 20 pragas prioritárias (aquelas cujo impacte potencial na economia, no ambiente e/ou na sociedade é o mais severo).

Atenção: os viajantes não podem introduzir no espaço UE vegetais/produtos vegetais (plantas inteiras, frutos, legumes, flores cortadas, sementes, tubérculos, etc.) oriundos de países não UE se não estiverem acompanhados de um certificado fitossanitário (confirmando o respeito pela legislação UE aplicável neste domínio).

Link associado

O artigo foi publicado originalmente em ICNF .

Comente este artigo
Anterior Estudantes de Castelo Branco criam horta móvel e solidária
Próximo Campanha | Xixi com glifosato ou pura manipulação?

Artigos relacionados

Últimas

Serralves promove conferência para discutir relatório da ONU sobre biodiversidade

Em comunicado, a Fundação de Serralves, no Porto, explica que a conferência, intitulada “Internacional Conference of the Park” e que vai decorrer nos dias 10 e 11 de setembro, […]

Dossiers

Reforma de la PAC: Respaldo a que en la discusión del Plan Estratégico Nacional se debata la supresión de los derechos históricos

El sindicato Comisiones Obreras (CCOO) ve “positivo” que en la configuración de la futura Política Agraria Común (PAC) se supriman los derechos históricos como un elemento “central” […]

Eventos

Escola Superior Agrária de Coimbra vai realizar duas palestras na área da Agricultura Biológica – 6 de janeiro

Irão ser apresentadas duas palestras com os temas “Agricultura Biodinâmica vs viticultura” e “Agricultura Sintrópica” que se vai realizar no dia 6 de janeiro na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra (ESAC-IPC). […]