Fisco deve dar incentivos à descarbonização da economia, diz secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Fisco deve dar incentivos à descarbonização da economia, diz secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais defendeu esta segunda-feira que o sistema fiscal deve dar incentivos ao desenvolvimento de projetos que contribuam para o objetivo definido pelo Governo de fazer a descarbonização da economia até 2050.

O Estado terá sempre um papel essencial na definição e adaptação no sistema regulatório, fiscal e de incentivos para que correspondam a sinais claros que facilitarem os investimentos necessários em projetos e atividades sustentáveis”, disse Mendonça Mendes no encerramento da conferência “O Papel do financiamento sustentável”, que decorreu hoje na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O governante enfatizou os mesmos números que o ministro do Ambiente e Transição Energética já tinha deixado esta segunda-feira na mesma conferência, de que, além do investimento que a economia gera, será necessário um adicional de entre 2,1 e 2,5 mil milhões de euros para Portugal atingir a descarbonização da economia até 2050.

Para isso, disse, na carta de compromisso para o financiamento sustentável, assinada na conferência, o Ministério das Finanças assumiu quatro compromissos, desde logo de “desenvolver política fiscal que seja favorável à sustentabilidade”.

Comprometeu-se ainda, acrescentou, a promover a transição das empresas e das instituições da economia social para o paradigma da sustentabilidade, usando o quadro financeiro europeu 2021-2027, promover a criação de produtos financeiros usando oportunidades do programa InvestEU e continuar a participar nos trabalhos sobre financiamento sustentável.

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, “a reorientação de fluxos de capitais para investimentos sustentáveis é decisiva para o crescimento sustentável”.

O responsável falou ainda da importância do que está a ser feito a nível da União Europeia para promover o financiamento em investimentos alinhados com a sustentabilidade e bem-estar ambiental e social, considerando que Portugal tem de aproveitar esta oportunidade para aumentar a sua competitividade.

O Governo aprovou em junho o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 (RNC2050), que define estratégias para atingir a neutralidade carbónica até 2050 e, para isso, foram identificados os setores com potencial de redução – energia e indústria, mobilidade e transportes, agricultura, florestas e outros usos de solo, e resíduos e águas residuais – e as metas que cada um deve alcançar.

Segundo disse esta segunda-feira o ministro do Ambiente e Transição Energética, Matos Fernandes, o investimento que é necessário fazer até 2050 para atingir a neutralidade carbónica ascende a um bilião de euros, sendo que “cerca de 930 mil milhões de euros são realizados no resultado da dinâmica normal de modernização da economia”, cerca de “27 a 29 mil milhões de euros de investimento por ano”.

Contudo, afirmou, “isto só leva a uma redução de 60% das emissões [com efeito estufa] em 2050 [face a 2005] e o objetivo é de 85%” de redução. Por isso, considerou que será necessário investir adicionalmente cerca de 86 mil milhões de euros para a totalidade do período, entre 2,1 a 2,5 mil milhões de euros por ano, defendendo políticas fiscais e regulatórias que facilitem e promovam esse investimento.

“Se é preciso urgência no investimento em projetos e iniciativas de empresas que promovam a descarbonização, o Estado deve ter um papel ativo na modelação do sistema regulatório, fiscal e de incentivos que proporcione sinais claros, facilitando a transição para um modelo económico pautado por projetos e atividades sustentáveis”, afirmou.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior PDR2020: Investimento na Exploração Agrícola – Horticultura, Pecuária extensiva e intensiva
Próximo Estado condenado por discriminar Mação no acesso a fundos europeus

Artigos relacionados

Nacional

Mercadona apoia a construção do estádio do Sport Clube de Canidelo

A Mercadona vai construir um novo supermercado nas antigas instalações do clube um dos primeiros supermercados da Mercadona em Portugal, com abertura prevista para 2019. Num acordo de colaboração com a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia  e a Junta de Freguesia de Canidelo, a Mercadona ajudou a construir um novo estádio do Sport Clube de Canidelo, que foi inaugurado hoje. 

Dossiers

Cotações – Frutos Frescos – Modo Produção Biológico – Informação Semanal – 6 a 12 Julho 2020

Framboesa – Na Região Centro, na área de mercado Beira Litoral, as temperaturas elevadas tem provocado o aumento da oferta (alta). A procura […]

Nacional

Portugal pode ser terceiro maior produtor mundial de azeite nos próximos 10 anos

Actualmente, existem 361.483 hectares de olival em Portugal, dos quais são 352.404 hectares de olival para azeite (INE, 2019). Apesar de um ligeiro acréscimo nos últimos anos, […]