Financiamento do Green Deal preocupa eurodeputados portugueses

Financiamento do Green Deal preocupa eurodeputados portugueses

Eurodeputados portugueses manifestam preocupação em relação à forma como o Green Deal e as políticas que lhe estão associadas vão ser financiadas.

Os eurodeputados portugueses manifestam preocupação em relação à forma como o Green Deal e as políticas que lhe estão associadas vão ser financiadas. E receiam possíveis consequências para as políticas comunitárias “tradicionais” — agricultura e coesão –, ou que o pacto não inclua financiamento à altura das ambições e dos desafios climáticos.

A nova Comissão Europeia apresentou na semana passada o Green Deal, que pretende ser a marca de água do seu mandato. Um ambicioso pacto ecológico europeu que prevê um roteiro com 50 ações em todos os setores económicos para promover a transição energética e fazer da Europa o primeiro continente neutro do ponto de vista climático, até 2050. Inclui a criação de um mecanismo que mobilize até 100 mil milhões de euros de fundos públicos e privados para apoiar essas transformações, sobretudo nas regiões mais afetadas pela transição energética.

Bruxelas apresentará em janeiro este Mecanismo para uma Transição Justa que deverá combinar diferentes fontes de financiamento: orçamento da UE, orçamentos nacionais (cofinanciamento), BEI e fundos privados. Incluirá especificamente um fundo a implementar no contexto da política de coesão. Mas a forma como esse fundo será desenhado suscita interrogações e preocupações entre os parlamentares portugueses ouvidos pelo ECO.

O eurodeputado do CDS, Nuno Melo, concorda que a Europa tem que liderar no clima, sublinha a importância de ajudar as regiões a implementar uma transição sustentável, mas considera que “qualquer proposta de financiamento que signifique a redução de fundos das políticas de coesão ou agrícola será em si mesmo contraditória”. “A política de coesão e a PAC são em si determinantes em matéria ambiental e nessa medida não poderão sofrer cortes, com pretexto do Green Deal”. Eventuais cortes, diz o centrista, “significarão o absoluto fracasso do mandato da comissária Elisa Ferreira [que tem a pasta da Coesão] e a demonstração da falta de capacidade do governo português de influenciar as políticas europeias, com graves prejuízos para o país”.

Uma fatia substancial do Green Deal será suportada pelo orçamento europeu, o que faz com que esse financiamento esteja intrincado nas negociações do quadro financeiro comunitário para o período 2021-2027. Maria da Graça Carvalho aplaude as propostas do Green Deal mas receia “o que está nas entrelinhas”. A eurodeputada do PSD lembra que “é preciso bastante investimento da União Europeia, dos Estados-membros e dos privados”. “Tenho algum receio de que não seja simples” alcançar esse objetivo, a começar “pelas negociações do orçamento europeu”.

Na mesma linha, Margarida Marques alerta para a questão do financiamento. A eurodeputada do PS defende que o pacto ecológico deve incluir uma estratégia de crescimento “inclusivo e justo”, “ter ambição”, mas “só pode ser credível se mobilizar os recursos financeiros necessários”. A eurodeputada manifesta ainda preocupação em relação ao fundo para a transição que poderá introduzir uma “diferenciação”, beneficiando sobretudo países cujas economias dependem muito das energias fósseis e da atividade mineira (como a Polónia), em detrimento de outros como Portugal mais avançados na transição e que já fizeram parte do caminho apostando nas renováveis.

Já Francisco Guerreiro, do PAN, revela preocupação com o montante dedicado ao clima no futuro orçamento. Guerreiro espera para ver a tradução do Green Deal em medidas legislativas mas mostra-se “cético” e “preocupado” sobretudo em relação ao financiamento. Nas negociações em curso entre os Estados-membros sobre o próximo quadro financeiro plurianual “só 25% são para medidas climáticas, o que é claramente insuficiente”. O grupo dos Verdes, onde se inclui no Parlamento Europeu, defende 50% do orçamento europeu para as questões climáticas.

Mais crítico é o eurodeputado do PCP João Ferreira. Numa primeira apreciação das propostas, considera o anuncio do Green Deal “uma enorme operação que envolve muita propaganda”. Denuncia as propostas relativas ao comércio de licenças de emissão de CO2, regime que no seu entender permite “poluir” e “é ineficaz”. “Esperava-se uma mudança de abordagem” mas o pacto “insiste” neste comércio, diz Ferreira, e até inclui “o alargamento a mais setores”. Denuncia igualmente opções de “cariz neoliberal” como a “desregulação do comércio internacional”, aponta baterias à aposta “na hegemonia do transporte individual” em detrimento do público e lamenta que o pacto “não assuma a importância estratégica do setor energético”, para o qual defende “o controlo público” dos estados.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO .

Anterior Oferta de emprego - Engenheiro Florestal - Amarante
Próximo Pagos de la PAC: Denuncian que ni se abonó todo lo de octubre ni se ha pagado lo prometido para diciembre

Artigos relacionados

Nacional

Governo aprova três projetos de regadio em Viana do Castelo no valor de 1,1 M€

O ministro da Agricultura aprovou esta semana um investimento de cerca de 1,1 milhões de euros para três projetos de reabilitação de regadios tradicionais em Viana do Castelo. […]

Notícias apoios

Incêndios: Ministro anuncia que apoio a agricultores afetados pelo fogo de sábado será semelhante ao de Pedrógão Grande

O sistema de apoio aos agricultores afetados pelos incêndios que atingiram Vila de Rei, Sertã e Mação será semelhante ao utilizado em Pedrógão Grande em 2017, […]

Últimas

André Silva: “Em cinco milhões de votos nas últimas legislativas, cerca de 500 mil não serviram para eleger ninguém”

André Silva do PAN diz que uma coligação com o António Costa está fora de causa, mas, mediante o poder de influência, […]