“Fim das gaiolas até 2027 penaliza acima de tudo os produtores mais responsáveis”

“Fim das gaiolas até 2027 penaliza acima de tudo os produtores mais responsáveis”

Álvaro Amaro garante que a promoção de boas práticas não pode excluir o mundo rural

Álvaro Amaro votou ontem contra as propostas de resolução do Parlamento sobre a Iniciativa de cidadania europeia «Fim da era da gaiola». Para o Eurodeputado membro da Comissão da Agricultura, os benefícios da proposta de proibir a utilização de gaiolas na pecuária até 2027 “não superam os prejuízos impostos ao setor agropecuário, nem representam um avanço substantivo no que respeita os objetivos da Política Agrícola Comum, de garantir alimentos nutritivos, seguros, saudáveis, suficientes e acessíveis para os cidadãos.”

Para o Eurodeputado do PSD, “não está em causa a melhoria do bem-estar dos animais, com que todos concordamos, mas a forma radical e desproporcional que é proposta”.

Assegurar a vida humana no mundo rural, continua Álvaro Amaro, “e uma saudável produção alimentar com padrões de qualidade e, naturalmente, de bem-estar animal, deve ser um imperativo europeu.” No entanto, para o membro da Comissão da Agricultura, não se pode restringir ou impor limites sem “a noção do gradualismo com que devemos prosseguir reformas importantes”, até porque, diz, “estes vão muito para além de uma simples alteração dos procedimentos.”

Por isso, Álvaro Amaro considera que “acabar com a utilização de gaiolas até 2027, independentemente da sua dimensão ou qualidade, penaliza os produtores que se esforçaram por melhorar o bem-estar dos animais que criam, e que investiram na modernização dos sistemas de produção”. O Eurodeputado sustenta ainda a sua posição na falta de garantias dadas para a transição: “não estão previstas compensações ou ajudas adicionais para apoiar esta medida”, o que considera “desproporcional”, depois dos melhoramentos realizados nos últimos anos.

Nesse sentido, Álvaro Amaro defende “mais e melhores incentivos” para que a produção adote práticas que promovam o bem-estar animal, e recordou o aumento das exigências da futura PAC, que não são coerentes com a redução no financiamento da PAC. “Os padrões de produção europeus já são os melhores do mundo, e queremos que continuem a ser, no futuro. Mas, para isso, precisávamos de ter reforçado a dotação para a PAC, e não o oposto.

Ao pretender atuar-se apenas por um lado, estamos a provocar um enorme desequilíbrio, que em última instância põe em causa o mundo rural e até a nossa soberania alimentar. Sejamos, pois, ambiciosos, mas também realistas”, conclui.

Comunicado enviado por Álvaro Amaro.

Criar animais em gaiolas será proibido na União Europeia

Comente este artigo
Anterior Hoje o mundo rural, mais do que isolamento físico, sofre de isolamento social
Próximo Modelo de co-gestão avança na Serra da Malcata

Artigos relacionados

Eventos

Webinar: O Impacto da Redução de Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos na Produção Vegetal – 14 de abril

A ANIPLA – Associação Nacional da Indústria para a Proteção das Plantas, organiza, no próximo dia 14 de abril, às 10h, um debate online dedicado ao tema “Impacto da Redução de Aplicação […]

Comunicados

Governance em empresas agrícolas de base familiar

Ontem, dia 12 de fevereiro, a AGROGES promoveu uma reunião restrita a cerca de 60 clientes e amigos (representantes de 42 casas agrícolas […]

Últimas

Estudo quer avaliar da Covid-19 impacto no consumo de vinho na Europa

O board da EuAWE – European Association of Wine Economists e a INSEEC – School of Business and Economics, da Universidade de Bordéus, […]