Figueira da Foz quer antecipar em dois anos recolha obrigatória de biorresíduos

Figueira da Foz quer antecipar em dois anos recolha obrigatória de biorresíduos

Em informação enviada à agência Lusa, a Câmara Municipal explica que o projeto de recolha seletiva dos resíduos orgânicos biodegradáveis – que, atualmente, são depositados junto com o lixo doméstico indiferenciado e que podem ser valorizados para reutilização posterior, por exemplo, na agricultura – “pretendeu antecipar-se” às normas que impõem a recolha seletiva de biorresíduos a partir de 2023.

“Pretendeu o município antecipar-se a esta obrigatoriedade de forma a que nesse ano já se encontre esta recolha implementada e a funcionar em pleno”, sustenta a autarquia do litoral do distrito de Coimbra.

O projeto incidirá, na fase inicial, nas freguesias de Buarcos e São Julião, Tavarede, Vila Verde e São Pedro “por serem as que apresentam uma maior densidade populacional” e consiste na disponibilização de 340 contentores de rua com capacidade de mil litros cada um e de baldes de 10 litros “por cada um dos alojamentos na área de operação”.

No total, são disponibilizados cerca de 24 mil baldes “a serem mantidos, conservados e limpos pelos utilizadores no interior das suas habitações”, refere a informação camarária.

Os contentores de mil litros terão um sistema de abertura com cartão de leitura de proximidade (NFC), também entregue aos utilizadores, “de forma a potenciar a deposição [dos biorresíduos] sem contaminação”.

No conjunto de esclarecimentos sobre o projeto pedidos pela agência Lusa à Câmara Municipal, nomeadamente os prazos de execução, investimentos anunciados e prestação do serviço, o Gabinete de Apoio à Presidência explicou a que operação só deverá arrancar daqui por um ano, a partir de junho de 2021, iniciando-se quatro meses antes, em fevereiro, uma campanha de sensibilização, dado a iniciativa ser de “adesão voluntária” por parte dos munícipes.

Sobre os 10 meses que medeiam entre a aprovação da candidatura e o início da campanha de sensibilização, bem como a implementação da iniciativa ter como horizonte o final de 2021, a autarquia frisou que estes prazos foram definidos “de acordo com as regras da candidatura ao POSEUR [Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos]” e, por outro lado, “por se considerar o prazo necessário para a sua implementação no terreno, quer por razões processuais, quer por razões logísticas”.

O município adiantou que a recolha e transporte dos resíduos orgânicos será feita pela empresa SUMA, a mesma entidade que é responsável por aquelas operações no âmbito dos resíduos sólidos urbanos, onde atualmente os biorresiduos vão misturados.

No âmbito do novo projeto, a SUMA, do grupo Mota-Engil (que em janeiro de 2019 e por concurso público, viu-lhe adjudicado um novo contrato de prestação de serviços de recolha de lixo, por oito anos e 7,8 milhões de euros), fará apenas a recolha e transporte dos biorresíduos, que serão tratados e valorizados pela empresa de Resíduos Sólidos do Centro (ERSUC).

Para tal, serão implementados “circuitos e frequências [de recolha] dedicadas a cada uma das tipologias [lixo indiferenciado e biorresíduos], sendo o lixo orgânico separado fisicamente do restante, acrescentou a autarquia da Figueira da Foz.

O Fundo de Coesão europeu suporta 85% dos encargos dos investimentos de aquisição de equipamento e publicidade e divulgação do sistema (no valor de 504 mil euros), cabendo ao município da Figueira da Foz assumir a contrapartida pública nacional de cerca de 89 mil euros.

Questionada sobre o facto de serem adquiridos quase 24 mil baldes de 10 litros para utilização em habitações, sendo um projeto de adesão voluntária, a Câmara Municipal reconhece que não existiu, previamente “um estudo indicativo de [eventual] adesão ao projeto” por parte dos munícipes.

“Mas sendo uma operação financiada e como se pretende alcançar um valor de reciclagem significativo do potencial total de produção, considerou-se, desde já, todos os alojamentos na zona geográfica a implementar a recolha seletiva, de forma a obter a maior quantidade possível de biorresíduos devidamente separada”, argumentou a autarquia.

A campanha de comunicação que arranca junto da população em fevereiro de 2021 envolve a distribuição de folhetos informativos, os cartões NFC de acesso aos contentores e sessões de esclarecimento, entre outras ações.

JLS // HB

Continue a ler este artigo na Visão.

Comente este artigo
Anterior "Vim fazer uma homenagem à pesca e à agricultura portuguesas": Marcelo faz compras em mercado na Ericeira
Próximo Produtores de vinho da Bairrada falam em quebra de quase 100% nas vendas e pedem apoios

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios. PSD preocupado com inoperacionalidade de posto de vigia de Tondela

Os deputados do PSD eleitos por Viseu perguntaram ao Governo o motivo de o posto de vigia do Monte da Senhora da Esperança, […]

Nacional

Jantar empresarial na Fruit Attraction promove a união do sector

Perto de 150 convidados marcaram presença no habitual jantar empresarial que decorreu no primeiro dia da Fruit Attraction, em Madrid. Um encontro organizado pela revista Frutas, […]

Últimas

Asoma la tendencia alcista en el mercado de vacuno

En el mercado de vacuno se percibe cierta animación en las operaciones de las canales de vacuno ante el aumento de la demanda interna. […]