Fibrenamics e INOVA apresentam projeto inovador para desenvolvimento de fibras a partir do leite não alimentar produzido nos Açores

Fibrenamics e INOVA apresentam projeto inovador para desenvolvimento de fibras a partir do leite não alimentar produzido nos Açores

Projeto Milkfibre terá um financiamento de 300 mil euros e visa o aproveitamento dos desperdícios do leite produzido nas pastagens açorianas para a produção de fibras.

A Fibrenamics, plataforma de I&D da Universidade do Minho, e o INOVA – Instituto de Inovação Tecnológica dos Açores –, acabam de apresentar um Núcleo de Investigação e Desenvolvimento (I&D) que irá implementar um projeto de investigação aplicada que visa o desenvolvimento de fibra da caseína a partir do leite não alimentar produzido na região dos Açores.

Com um financiamento de 300 mil euros por parte do Açores 2020, uma duração prevista de três anos e uma equipa de 10 investigadores, o projeto designado por Milkfibre, será desenvolvido pelo Núcleo de I&D constituído pelo consórcio do qual fazem parte a Fibrenamics Azores, por via da empresa CIMPA, promotora do projeto e detentora do conhecimento nos domínios do desenvolvimento de materiais fibrosos através de diversos processos tecnológicos, e o INOVA, copromotor do projeto.

O projeto Milkfibre inclui os estudos necessários ao desenvolvimento de fibra da caseína a partir do leite não alimentar produzido nas pastagens dos Açores, e tem como principal objetivo despoletar a utilização das fibras obtidas a partir dos desperdícios do leite em diversas aplicações, tais como têxtil, alimentar, saúde, entre outros.

O Núcleo de I&D prevê que se obtenham resultados a três níveis: Científico, Tecnológico e de Produto, como explica Raul Fangueiro, Coordenador da Fibrenamics: “no que diz respeito aos resultados científicos, prevê-se o desenvolvimento de conhecimento que irá resultar em publicações científicas em jornais de referência, participações em conferências e, acima de tudo, um efeito mobilizador do conhecimento. Na perspetiva tecnológica, serão explorados novos processos para a obtenção e funcionalização da fibra do leite, quer à escala macro quer à escala nano/micro. Na perspetiva do produto, está prevista a dinamização de projetos no que diz respeito à transferência do conhecimento gerado para o tecido empresarial. Paralelamente, irá ocorrer uma divulgação ampla dos resultados do projeto para a sociedade”.

“Existe um potencial enorme ainda por descobrir nestes materiais que têm um papel tão marcante para a economia da região. Este é um novo caminho de valorização da fileira do leite, que contribui para uma utilização mais sustentável dos subprodutos e que pode trazer mais valor ao setor, contribuindo para a chamada economia circular”, explica João Carlos Nunes, Diretor Científico do INOVA.

O Milkfibre conta com o apoio financeiro do Governo Regional dos Açores, e o momento de apresentação contou com a presença do Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes que reforçou a sua importância para a economia da região: “é a prova de que a transferência de conhecimento entre empresas e centros de investigação é o caminho para o desenvolvimento de ideias e projetos inovadores, que podem tirar partido dos recursos existentes na nossa região, neste caso concreto, a partir de resíduos do leite, potenciando-os, e criando riqueza”.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Azeite, vinho ou carne devem ter nos rótulos informação sobre a pegada ecológica? “É necessário empoderar o consumidor
Próximo Nova edição da CULTIVAR com o tema Abastecimento alimentar - que fronteiras?

Artigos relacionados

Últimas

Ministério da Agricultura alerta para a entrega de sementes não solicitadas pelo correio

O Ministério da Agricultura alerta para o envio, por via postal, de pequenos pacotes de sementes, não solicitados, provenientes de países asiáticos. Esta situação está também a ser reportada em […]

Últimas

História e pioneirismo colocam os vinhos georgianos entre os mais tradicionais do Mundo


História e pioneirismo colocam os vinhos georgianos entre os mais tradicionais do Mundo
O vinho é, sem dúvida, uma parte muito relevante da história e da cultura georgiana. […]

Últimas

A utilização de plantas autóctones em infraestruturas ecológicas

Foi-nos colocada uma questão: numa exploração em modo de produção biológico que plantas escolher para integrar um espaço que sirva de abrigo […]