Fertilização Racional

Fertilização Racional

A Quinta da Cholda utiliza como método de cálculo das necessidades de fertilização a combinação de dois métodos. O primeiro, o nível médio de exportação de nutrientes com base na produtividade média da parcela, e em segundo, os resultados provenientes das análises de solo antes do início da cultura.

Em ambos os casos as aplicações eram o resultado de um valor médio dentro da parcela. Como os nossos campos são muito heterogéneos, e as produções variam muito dentro da mesma parcela, consideramos que temos feito muitos erros ao nível das reais necessidades da cultura devido a essa variabilidade espacial das parcelas.

Assim temos vindo a desenvolver um novo método de determinação das necessidades reais para a fertilização. Utilizámos em 2018 vários pontos para recolha de amostras de solo baseadas na variabilidade da electrocondutividade aparente do solo.

Foram feitas as aplicações de fertilizantes com uma alfaia VRT (Fósforo e Potássio) para responder às necessidades detectadas nas análises de solo. Os primeiros resultados pensamos que foram muito encorajadores e mantivemos o critério durante este ano de 2019, pois consideramos que ter acréscimos crescentes em relação ao método tradicional.

Este ano de 2019 fomos mais longe e fizemos um levantamento total do mapa de nutrientes do solo, numa outra parcela. Iniciámos uma nova forma para determinar as necessidades de fertilização. Agora aumentámos muito o número de amostras, passando de 1 amostra por 10 hectares, para 1 amostra por 2 hectares. O método de determinação do local da amostra, é um misto de produtividade do passado e electrocondutividade aparente do solo. Temos agora todos os resultados numa base de dados que pode gerar mapas de nutrientes e fazer a prescrição para as diferentes zonas da parcela em forma de ficheiros que são depois passados para a alfaia VRT.

Iremos no final do ano com a ajuda do mapa de produtividade, avaliar a evolução dos resultados. Pensamos que estamos a contribuir para uma optimização da produção baseada no aumento das eficiências dos factores de produção, logo com um resultado melhor a nível económico e ambiental.

Via: Página Oficial do Projecto Sparkle
Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Milho Amarelo.

Anterior PSD diz que valia ambiental da Madeira tem de ser preservada e conservada
Próximo CDS pede mais apoio do PDR 2020 para defesa do montado de sobro e azinho

Artigos relacionados

Sugeridas

Crédito Agrícola patrocina “A Cerveja em Lisboa”

[Fonte: Crédito Agrícola] A terceira
edição da iniciativa “A Cerveja em Lisboa”, que decorre de 3 a 6 de outubro, […]

Últimas

Zona demarcada do insecto vector da psila dos citrinos volta a ser actualizada

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária acaba de actualizar o mapa bem como a lista de Freguesias que integram total ou parcialmente a zona demarcada respeitante a Trioza erytreae, […]

Nacional

Eucaliptos continuam a crescer descontroladamente em Pedrógão Grande

Os eucaliptos continuam a crescer descontroladamente na zona de Pedrógão Grande. O alerta é da Quercus dois anos após os grandes incêndios na região centro. […]