Ferramentas e metodologias de gestão de projetos no setor agrícola

Ferramentas e metodologias de gestão de projetos no setor agrícola

O presente questionário é realizado no âmbito de uma dissertação do Mestrado em Gestão de Projetos do ISEG – Lisbon School of Economics & Management da Universidade de Lisboa, e tem como objetivo traçar o perfil de utilização e sucesso de metodologias e ferramentas de implementação de projetos no setor agrícola.

Se trabalha em várias explorações agrícolas ou desenvolveu vários projetos de investimento nos últimos anos, por favor responda sobre a/o mais relevante.

O tratamento do questionário não permite a identificação individual de cada respondente, sendo as respostas totalmente confidenciais. O questionário tem uma duração aproximada de 7 a 10 minutos.

Este questionário é aplicável a explorações que tenham efetuado investimentos agrícolas em Portugal (excluindo pecuária e agroindústria).

Clique aqui para responder ao questionário, que permitirá desenvolver o projeto de investigação.

Os resultados do estudo serão apresentados em sessão pública.

Dissertação desenvolvido em parceria, pelas seguintes entidades:  ISEG – Lisbon School of Economics & Management em colaboração com o Instituto Superior de Agronomia.

Comente este artigo
Anterior CDS questiona Governo sobre futuro do VITIS
Próximo CAULÉ – CAULÉ. Afinal o que é? Autor: João Cruz

Artigos relacionados

Nacional

Servagronis lança soluções fitossanitárias para o arroz

No passado dia 17 de junho a Servagronis promoveu um Dia de Campo, em estreita colaboração com a FMC, para lançamento de duas soluções fitossanitárias na cultura do arroz. […]

Nacional

“Havendo responsabilidades, o Estado deve assumi-las”

Carlos Santos Neves – RTP 28 Jun, 2017, 16:15 / atualizado em 28 Jun, 2017, 18:46 | Política

“Esta tragédia não teve precedentes na nossa história democrática, […]

Nacional

Douro indignado com mais área de vinha

[Expresso] Lavoura e comércio insurgem-se contra a decisão do Governo de aumentar a mancha de plantação. São só 150 hectares, mas é um sinal “de desprezo e desrespeito” pela região. […]